Uma edição que vale por 12. A publicação destaca análises anuais dos principais setores da pecuária brasileira.

Informação com credibilidade há 21 anos !

Intensificação

A intensificação da pecuária e o fim dos puleiros e dos “pet-stops” de luxo

Maurício Velloso 1

Deu-se há muito. Foi uma surpresa, uma grande surpresa, encontrar no barracão do curral de uma grande fazenda de recria e engorda, por esses Gerais afora, uma balança de gado patinada. Isso mesmo, com aquele acabamento artístico, a pátina, um verdadeiro luxo para o ambiente. Ao me aproximar, o cheiro, ou melhor, a catinga da “pátina” a revelou – era bosta mesmo. Aquilo era um galinheiro! Puleiro e ninho, DE GALINHAS! De lá para cá, foram muitas, inúmeras as vezes em que me deparei com outras balanças cobertas com caca de galinhas, fazendas sem balança bovina (a maioria) e, onde as havia, um insistente uso paralelo, como puleiro, galinheiro e morada de cães e gatos. A explicação vem do antigo hábito arraigado. Antigamente, as balanças eram gaiolas grandes nas quais cabiam até dez bois. Sim, havia menores, para quatro, dois e até mesmo para um boi, mas as preferidas eram as maiores, Fotos: Maurício Velloso pois, assim, se agilizava o embarque. Apenas se pesavam as reses para o abate (peso fina), para checagem da balança do frigorífico ou mesmo para venda em pé, a marchantes. Assim sendo, vacas e bois, à época, só viam – quando viam – a balança uma vez na vida. A pecuária, extensiva e tardia, mantinha as balanças inativas, se empoeirando (ou coisa pior) no aguardo de um novo e longínquo embarque. É preciso justificar que, há 40 anos, a margem do negócio pecuário era por volta de 50%, e qualquer que fosse a forma de “tocar a boiada” dava dinheiro. Gado, à época, era reserva de valor e, hoje, é, necessariamente, bem de produção. Dos anos 90 para cá, a margem sobre a venda foi drasticamente reduzida, em aproximadamente 68% (praça SP), como demonstra a Consultoria Agrifatto, e, em muitos casos, e por diversos motivos, a margem é negativa, conforme pontua o zootecnista Antônio Chaker. O que então esses números quer...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante desta revista, clique Aqui e Assine Agora!