Uma edição que vale por 12. A publicação destaca análises anuais dos principais setores da pecuária brasileira.

Informação com credibilidade há 21 anos !

Na Varanda

Debate sobre churrasco FAKE

Francisco Vila
Economista e consultor internacional [email protected]

Estamos em plena época de churrasco. A melhor coisa do mundo. Carne boa, conversa jogada fora e, em alguns momentos, reflexões mais sérias sobre tudo que fizemos, o que temos e sobre aquilo que nos resta a conquistar. Talvez seja interessante puxar a troca de ideias para um lado inusitado: como será o negócio da carne no futuro? Para nós, não existe dúvida. Queremos mais do mesmo, pois o que temos já está ótimo. Porém, devemos lembrar que temos dois papéis nesse setor. De um lado, somos produtores que ganham a vida com a criação e a engorda de bovinos de qualidade. Por outro, somos consumidores. Ou seja, enquanto torcemos para que o valor real da arroba continue a subir ainda mais, reclamamos, como compradores de carne de qualidade, do aumento do preço desse delicioso produto. Aqui, vale parar um pouco. E aqueles 99,9% de consumidores de carne que não produzem boi? Eles só enxergam a explosão do preço no açougue.

Em janeiro, o valor da arroba era de R$ 190. Agora, beiramos a marca de R$ 300/@. No balcão do supermercado, o preço acompanhou esse voo. Quem não tem como compensar a alta no custo da carne começa a pensar em alternativas. A primeira opção seria substituir parte da carne bovina por carne de frango ou de suíno. Ambas as alternativas são boas e dependem do cozinheiro ou da cozinheira em preparar pratos suculentos. Todavia, essas carnes também subiram de preço. Não tanto por quilo como a nossa, mas o suficiente para começar a prestar um pouco de atenção aos filhos, quase veganos, que defendem uma redução no consumo de carne, seja de qual origem for. E, aqui, vale lembrar que, enquanto o brasileiro consome 40 quilos de carne por ano, os europeus, que, em princípio, poderiam comprar mais porque têm mais do que o dobro da renda brasileira, comem menos da metade de carne bovina. Agora, qu...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante desta revista, clique Aqui e Assine Agora!