Uma edição que vale por 12. A publicação destaca análises anuais dos principais setores da pecuária brasileira.

Informação com credibilidade há 17 anos!

Bezerros

Ciclo de alta se aproxima

Breno de Lima*

Entre 2014 e 2016, o volume de fêmeas destinadas ao abate caiu. Essa retenção de fêmeas foi motivada pelos bons preços dos bovinos para reposição à época, que desencadeou em uma maior produção de bezerros que chegaram ao mercado a partir de 2016/2017/2018.

Bezerros

Figura 1 - Cotação da arroba do boi gordo (eixo da esquerda) e cotação por cabeça do bezerro de desmama ([email protected]) (eixo da direita) em São Paulo

Considerando um período de 24 meses entre gestação, amamentação e comercialização, 2018 foi o último ano de incremento de oferta de bezerros, fruto dessas fêmeas retidas.

O último ano terminou com as cotações nos mercados do boi gordo e a reposição se recuperando e voltando para os mesmos patamares pré-Carne Fraca.

No primeiro semestre de 2018, os preços caíram, porém dentro da normalidade, sem grandes oscilações.

Com a cotação da arroba do boi gordo em queda e com a maior disponibilidade de bezerros, as cotações no mercado de reposição também cederam na primeira metade do ano.

O que chamou a atenção foi que, devido à disparada nas cotações do milho, a terminação de bovinos em confinamento no primeiro giro não apresentou resultados econômicos atraentes, e menos animais foram confinados.

Com menos animais confinados e com as pastagens sentindo os efeitos do período seco, a partir de julho, diminuiu a quantidade de boiadas ofertadas no mercado, e as cotações entraram em trajetória de alta.

Pegando carona com o boi gordo, as cotações do mercado de reposição seguiram o mesmo caminho.

Entretanto, diferentemente de 2017, neste ano, o volume de negócios no mercado de reposição foi maior devido ao adiantamento da chegada das chuvas, o que fez com que os pastos se recuperassem mais cedo.

Relação de troca

Outro motivador para os negócios foi a melhora do poder de compra do recriador e do invernista.

Bezerros

Figura 2 - Arrobas de boi gordo necessárias para a compra de um bezerro de desmama ([email protected]) em São Paulo

Tomando como base São Paulo, em junho, eram necessárias, em média, 8,21 arrobas de boi gordo para a compra de um bezerro de desmama, anelorado, com peso de seis arrobas.

Em julho, essa mesma relação caiu para 8,03 arrobas, e, de lá até agora, a relação de troca teve poucas oscilações e permaneceu próxima a esse patamar.

Os patamares estáveis na relação de troca só foram possíveis graças às valorizações da arroba do boi gordo.

Isso porque as cotações para a reposição do início do segundo semestre até outubro estão em alta, sem registros de ajuste negativo semanalmente. Porém a arroba do boi gordo, nesse mesmo período, subiu mais do que as cotações do bezerro.

De julho a outubro, em São Paulo, as cotações médias da arroba do boi gordo subiram 6,2%, enquanto que, para o bezerro de desmama, subiram 5,5%, o que explica a melhora no poder de compra.

Oferta e demanda

A elevação das cotações do bezerro neste ano, mesmo diante de um cenário com incremento de oferta, indicam que uma reversão de preços se aproxima. Ou seja, estamos em um período de transição do ciclo.

Seguindo o comportamento histórico, as altas mais intensas e a consolidação do novo ciclo de alta de preços podem ser observadas já ao final de 2019 ou 2020.

Em 2019 e 2020, devemos ter uma menor oferta de bezerros, fator que tende a dar firmeza para as cotações e tornar a produção de bezerros atraente.

Em um cenário com recuperação mais acentuada da economia e aquecimento do consumo no mercado interno, a demanda por boi gordo aumentará, e os recriadores e terminadores tendem a aumentar os investimentos, para, assim, ter maior quantidade de matéria-prima (boi gordo) para atender aos frigoríficos. Dessa forma, o mercado de reposição se aquece, e as cotações ganham firmeza.

Já em um cenário adverso, com a desaceleração do consumo, o ímpeto para investimentos na reposição tende a ser menor, o que pode limitar as altas das cotações mesmo em um período de redução da oferta de bezerros.

De qualquer maneira, as tendências para 2019 são mais positivas do que negativas, apontando para um cenário de manutenção a alta nas cotações do mercado de reposição. Por fim, dependerá do sucesso e das medidas econômicas do governo que tomará posse em 2019.

Oportunidades

Para os criadores, os bezerros que serão produzidos na estação de monta de 2019 têm grandes chances de serem comercializados em um período de alta das cotações. Diante disso, o momento é favorável para a compra de bezerros.

O bezerro comprado agora, quando negociado lá na frente como boi gordo, tem chances de ser vendido em um período próspero. Com o próximo ciclo de altas, o estoque de arrobas compradas agora tende a se valorizar.

Na recria e engorda, a aquisição de animais representa cerca de 60% do custo total do sistema. Acertar na compra do bezerro diminui os custos e alivia a pressão sobre a margem de lucro do produtor.

*Breno Lima é zootecnista e analista de mercado da Scot Consultoria