Uma edição que vale por 12. A publicação destaca análises anuais dos principais setores da pecuária brasileira.

Informação com credibilidade há 17 anos!

Genética

De olho nos melhores do Canchim

Genética

Em sua sétima edição, a PCAD é a porta de entrada para o Programa de Avaliação de Touros Jovens

Adilson Rodrigues
[email protected]

Hoje considerado o evento máximo da raça sintética criada no Brasil, os resultados da Prova Canchim de Avaliação de Desempenho (PCAD) foram anunciados dia 11 de novembro, durante dia de campo na Ilma Agropecuária, localizada às margens do quilômetro 211 da Rodovia Raposo Tavares, em Angatuba, interior de São Paulo.

A PCAD é um teste de performance que proporcionou um verdadeiro upgrade no progresso genético da raça Canchim dentro do programa de avaliação genética Embrapa/ Geneplus. Dela também saem os futuros candidatos a reprodutores que serão provados na Avaliação de Touros Jovens (ATJ), o teste de progênie do Canchim.

Realizada em ambiente de confinamento, a prova compreendeu 42 dias de adaptação e 112 dias de avaliação efetiva. No período, os jovens touros foram avaliados quanto a características fenotípicas (raça, mucosa, pelagem, umbigo e aprumos), desempenho (ganho médio diário e peso final), fertilidade (perímetro escrotal), conformação frigorífica e avaliação de carcaça (AOL, EGS, marmoreio e rendimento de carcaça).

Genética

Touros jovens foram comercializados por R$ 8,2 mil

“Participaram desta edição 16 criadores, que levaram 123 animais. Eles apresentaram médias de 1,270 kg de ganho médio diário, 35,1 cm de perímetro escrotal, 2,69% de marmoreio, 3,7 mm de espessura de gordura e 90 cm² de área de olho de lombo”, informa Amaury Dorta Júnior, técnico de Inspeção e Registro na Associação Brasileira dos Criadores de Canchim (ABC Canchim) e do Programa Embrapa Geneplus.

A PCAD ainda é dividida em duas provas, sendo uma destinada a animais nascidos entre setembro e novembro e outra para aqueles gerados entre junho e agosto. Os campeões do primeiro grupo foram 4046 da Itamarati (Elite Ouro), pertencente a Luís Carlos Fernandes; Cataro 158 MN Mangalba (Elite Prata), do criador Emílio Endel Soares Gouveia; e Gandhy 1152 da MN (Elite Bronze), inscrito por Dourivan Cruvinel de Souza.

No grupo dos nascidos entre junho e agosto, destaque para Xororó 3502 MN da Vista Alegre (Elite Ouro), de Edson Rodrigues Bastos; Gandhy 1270 MN da São Tomé (Elite Prata), também de Dourivan Cruvinel de Souza; e F-12573 da Ilma (Elite Bronze), propriedade da anfitriã Ilma Agropecuária.

Os tourinhos Elite Ouro representam o grupo dos 1 a 15% melhores na prova, Superior Plus são os 16 a 30%, Superior equivale aos 31 a 50%, os Regulares estão na faixa dos 51 a 85% e acima disso são considerados Inferiores. Também há uma premiação especial para Progênie de Pai, uma forma de reconhecer os raçadores que mais contribuem para evolução genética da raça. Campeonato para o reprodutor DOM MN da São Tomé, novamente de Dourivan Cruvinel de Souza; e reservado para Ocidente MN da Santa Carolina, de João Paulo Porto.

“O Canchim está no caminho certo. Busca seu espaço e contribui na pecuária de corte gerando ganhos em produtividade. A PCAD comprova essa evolução da raça”, conclui Adriano Lopes, presidente da ABCCanchim. Ao final da avaliação, 80 dos jovens reprodutores foram arrematados em um leilão virtual, gerando um faturamento de R$ 661.500,00 e média geral de R$ 8.268,75.