A importância da geoestatística na agricultura de precisão

semente brotando da terra
Fonte: Pexels

Como já falamos outras vezes aqui no blog, o Brasil é um dos maiores produtores de agricultura e pecuária do mundo e, por causa disso, existe uma grande preocupação dos produtores em manter a qualidade de seus produtos, partindo principalmente dos cuidados com os seus solos.

Uma técnica voltada para avaliar o ambiente através de seus atributos químicos e físicos é a geoestatística. Com ela, é possível criar um mapeamento de produtividade dos solos do negócio, focado em garantir um aumento na produção alimentar de forma sustentável para todos.

Este é um assunto que interessa a você? Então, continue lendo, porque abaixo vamos trazer diversas informações sobre a importância da geoestatística na agricultura de precisão. Vamos conferir?

Como surgiu a geoestatística?

A geoestatística é uma tecnologia considerada bem nova, uma vez que foi na África do Sul, em 1951, que Danie G. Krige, um estatístico e engenheiro de minas, descobriu uma maneira de analisar as amostras de ouro que possuía através das variações. Ele percebeu que era preciso levar em conta a distância entre as amostras, considerando a localização geográfica e a dependência espacial. Mas foi 1965 que o estudioso Matheronem colocou essa ideia em termos matemáticos e desenvolveu a geoestatística como conhecemos hoje.

Para entendermos melhor, podemos dizer que a geoestatística é uma ferramenta que se apropria de diversas regionalidades para criar previsões e estimativas de locais que ainda não foram amostrados. Com isso, é possível estimar valores ideais dos solos através da extração de dados disponíveis no ambiente, não limitando-se a um único modelo de dependência espacial.

Como usar a geoestatística na agricultura de precisão?

Considerada uma técnica de compreensão e melhoramento das condições dos atributos do solo, a agricultura de precisão é uma maneira de mapear as variações de áreas cultivadas nas zonas agrícolas. Desse modo, juntamente com a geoestatística, a agricultura de precisão tenta diminuir os custos do agricultor e aumentar a produtividade das culturas.

Com isso, também conseguimos mapear as variações de fertilidade e entender mais sobre o grau de compactação dentro das áreas cultivadas. Como já dissemos, a maneira de analisar essa questão é através de amostragens do solo.

Aprenda sobre agricultura de precisão: história, boas práticas e muito mais!

Quais objetivos da geoestatística na agricultura de precisão?

A grande ideia da geoestatística em conjunto com a agricultura de precisão é aumentar a produtividade das culturas sem ter que empregar mudanças físicas nas áreas cultivadas pelos produtores. No caso de produção de grãos, essas tecnologias entram para melhorar:

  • os sistemas de plantio direto, o cultivo mínimo e a interação lavoura-pecuária-
  • floresta em rotação de culturas;
  • a genética das plantas;
  • o estímulo biológico das culturas;
  • e aumentar os microrganismos benéficos dos endofíticos.

Sabendo um pouco mais sobre a geoestatística na cultura de precisão, fica mais fácil melhorar o seu cultivo e cortar os custos de suas produções! A dica é não ter medo de incorporar essa tecnologia na rotina agrícola, já que muitos programas de análise estão mais fáceis de usar! Ainda sobre o assunto, confira o nosso conteúdo sobre o uso de tecnologia em sementes para ter um um plantio ainda melhor! Vemos você por lá.

Agricultura de precisão: história, boas práticas e muito mais!

instrumento-agricultura-de-precisao
Fonte: Massey Ferguson

A agricultura de precisão está ligada ao uso de tecnologia avançada para analisar e acompanhar as condições do clima e solo para as atividades agronômicas. Em resumo, trata-se de um formato de automação agrícola, onde é possível controlar os processos e a produção como um todo visando ao melhor rendimento dos cultivos. Quer entender melhor? Leia o artigo abaixo que nós, do blog A Granja prepararmos sobre o assunto!

A história da agricultura de precisão

Os primeiros relatos das atividades de agricultura de precisão surgem em 1929, nos Estados Unidos, no entanto, essa prática ficou mais conhecida na década de 80, devido aos avanços e à difusão dos sistemas de posicionamento geográfico. Foi difundida em diversos países com grande produção agrícola, como Alemanha, Argentina, Austrália, Inglaterra e Brasil.

No Brasil, as primeiras aplicações iniciaram na década de 90. O foco inicial era aprimorar as máquinas agrícolas, permitindo uma aplicação otimizada de insumos, o que ajuda a diminuir custos e impactos ambientais negativos e, sucessivamente, ampliar o retorno econômico, social e ambiental.

agricultura-de-precisao-solo

Objetivos da agricultura de precisão

A Agricultura de Precisão (AP) tem como principal objetivo detectar a diversidade espacial e temporal no campo, e busca melhorar esses processos de manejo das culturas, pensando em todo o sistema. Confira a lista dos propósitos da agricultura de precisão:

  • Diminuir ao máximo a contaminação dos solos de todas as áreas produtivas;
  • Aprimorar o uso de insumos agropecuários;
  • Reduzir dos custos de produção;
  • Aumentar a produtividade;
  • Sempre buscar a proteção do ambiente e recursos naturais.

Pilares da Agricultura de Precisão

A Agricultura de Precisão é marcada por estes três pontos que convergem em busca de melhores resultados:

  • Revolução gerencial;
  • Tecnologia de Informação;
  • Agregação de valor à produção.

No entanto, a AP não está relacionada apenas ao uso de ferramentas de alta tecnologia, uma vez que seus princípios podem ser aplicados no dia a dia das propriedades, ajudando a obter uma melhor organização e gestão das atividades, dos gastos e, principalmente, da produtividade em cada área.

Existe uma aplicação para diferenciar as divisões e localização das lavouras dentro das propriedades, nas divisas dos talhões ou piquetes, ou apenas, no reconhecimento de “manchas” que diferenciam do padrão geral. A partir disso, o tratamento diferenciado em cada área de atuação é a aplicação do conceito de AP.

Viu como a agricultura de precisão é muito importante para um bom desenvolvimento agrícola e seu manejo? Não esqueça de deixar um comentário nos contando o que achou do texto! Aproveite também e leia mais este artigo: Conheça a importância da calagem do solo!

Irrigação por gotejamento: entenda mais!

irrigação por gotejamento
Fonte: Construindo Decor

Com o avanço da tecnologia e a utilização cada vez mais de água pelas atividades humanas, se intensificou a procura por métodos mais eficientes, que consumam o menor possível e forneçam resultados melhores em produtividade. Desta maneira, a irrigação por gotejamento tem ganhado muito espaço no agronegócio. Quer saber mais como funciona esse sistema? Nós, da A Granja, vamos falar algumas especificações desta técnica. Confira!

O que é?

Atualmente, existem diversas formas de irrigação para plantações, pomares e jardins, dentre as quais se destaca, especialmente pela economia de água, a irrigação por gotejamento. Sendo um processo bastante econômico para aguar plantas posicionadas a serem regadas constantemente, é possível deixar o sistema com o registro permanente aberto e até mesmo por um timer para irrigação em horários programados, de acordo com a sua demanda necessária.

Métodos tradicionais de irrigação

O processo de irrigação por gotejamento fragmenta a água lentamente e diretamente na zona determinada, através de canos e mangueiras flexíveis, com emissores ou gotejadores apensos, que se estendem ao longo de toda a vegetação. Em um sistema bem planejado, esses emissores administram a água com uniformidade em todo o campo.

O principal objetivo do agricultor é manter a umidade do solo ao ideal estipulado e levar às plantas os elementos nutritivos de maneira contínua, para reduzir o trabalho e promover o desenvolvimento permanente. Isso se dá por meio de ciclos de irrigação leves, mas constantes fornecendo os nutrientes via por esse sistema, na freqüência necessária.

Vantagens e desvantagens da irrigação

Existem muitas vantagens e desvantagens no sistema de irrigação por gotejamento, abaixo vamos listar algumas delas. Confira!

Vantagens

  • Aumenta de maneira positiva a produtividade da plantação;
  • Consumo de água bem inferior a irrigação por aspersão;
  • Diminui a mão de obra;
  • Diminui a erosão do próprio solo;
  • Diminui o gasto com água em mais de 50 %;
  • Não é preciso uma topografia plana do ambiente;
  • Permite a fertilização reduzindo a utilização de fertilizantes;
  • Pode ser instalado em diversos lugares.

Desvantagens

  • As mangueiras podem se deteriorar por causa do sol e pela circulação de animais no local;
  • Baixa eficaz na situação de gramados e jardins;
  • Custo inicial um pouco elevado;
  • Maior gasto com tubos e mangueiras para conservação do sistema.

Agora que você já sabe tudo sobre irrigação por gotejamento que tal deixar um comentário nos contando o que achou do sistema? Tens vontade de aplicar? Para economizar ainda mais, que tal entender um pouco mais sobre energia solar fotovoltaica? Até a próxima!

Conheça 3 doenças da soja que atingem as plantações

Fonte: Pixabay

A soja é um dos produtos mais significativos para o agronegócio brasileiro e também no mundo inteiro. Por causa disso, é muito importante cuidar adequadamente das plantações, utilizando o Manejo Integrado de Pragas (MIP) e as boas práticas agronômicas para que não haja problemas na safra.

Se por algum motivo os cuidados não forem tomados devidamente — ou até mesmo se você optar por usar sementes piratas — as plantações correm grandes riscos de acabar adoecendo, o que traz grande prejuízo ao agricultor e ao solo da plantação também.

Para que não ocorra nenhum problema na sua plantação, nós, da Revista A Granja, separamos três doenças da soja que atingem as plantações. Abaixo, falaremos sobre os sintomas e um pouco mais sobre como controlar essas doenças!

1 – Ferrugem

Uma das doenças que mais atinge o plantio de soja é a ferrugem. Sua origem histórica reside na Ásia, mas logo se espalhou pelo mundo inteiro. Ela recebeu este nome por causa do aspecto amarronzado e corroído que as folhas apresentam após entrarem em contato com a doença.

Como os danos são irreparáveis, o agricultor pode perder quase totalmente sua safra, ainda mais no território brasileiro, onde as condições climáticas ajudam a desenvolver e a disseminar com facilidade a doença.

A melhor maneira de deixar que a ferrugem não se espalhe pela plantação é através de aplicação de fungicidas (triazóis e estrobilurinas). É bom ter o manejo cultural em dia, além de selecionar os cultivares com resistência para que a praga não chegue com frequência ao seu plantio.

2 – Mofo Branco

Causada pelo fungo Sclerotinia sclerotiorum, o mofo branco pode causar perdas da safra entre 30% até 100% quando as medidas de manejo não são tomadas devidamente. Podendo ser encontrada entre outras espécies de plantas e hortaliças, esse mofo é uma espécie de “podridão” branca que, ao entrar em contato com a planta, reduz sua produtividade ao ser afetada pelo fungo.

As melhores maneiras de não ter o mofo branco presente em sua plantação são:

  • através de tratamento de sementes, além de selecionar sementes certificadas para a produção;
  • adubação adequada e a pulverização de fungicidas também são ótimas opções para que o mofo branco não afete seu plantio.

3 – Podridão Radicular de Fitóftora

De coloração amarelada e aspecto seco das folhas, a podridão radicular é um fungo que ataca e mata a soja, entre outras plantas. Ele se inicia pela raíz e vai tomando a planta até as suas extremidades, deixando o tecido externo e interno escurecido.

A única maneira de não deixar esse fungo se espalhar pelas plantações é fazer um bom preparo do solo, usando variedades resistentes, além de proporcionar uma boa drenagem para que nenhum outro fungo se desenvolva.

Agora que você já conhece três doenças da soja que atingem as plantações, é melhor tomar cuidado para que isso não aconteça com a sua! Vale reforçar que o uso da tecnologia no tratamento de sementes é uma ótima opção para evitar pragas e fungos no seu plantio!

Expointer: o grande evento do setor de agricultura e agronegócio

Foto aérea da expointer 2018.

Congregando o que há de melhor do agronegócio e pecuária da nossa região, a Expointer é um evento que sempre acontece entre os meses de agosto e setembro para reunir em uma única feira as melhores oportunidades que o mercado possui nesse setor.

Desde exposições de animais a novidades no meio tecnológico, a Expointer é muito conhecida mundo afora, além de ser considerada a maior feira de agronegócio e pecuária do território brasileiro.

Que tal descobrir um pouco mais sobre esse evento gigantesco? Abaixo separamos um pouco sobre a história da Expointer e como essa feira pode mudar a sua visão sobre seu negócio. Confira!

História da Expointer

Ocorreu em 24 de fevereiro de 1901 a Primeira Exposição de Produtos do Estado. Contando com 2.200 expositores e um público de 67 mil pessoas, a feira exibia bovinos, equinos, suínos, produtos agrícolas, industriais e artesanais de todo Rio Grande do Sul.

Essa feira acontecia em pavilhões, nos Campos da Redenção, e podemos considerar que o evento funcionava como uma prévia do que é a Expointer que conhecemos nos dias atuais. Conforme o evento foi acontecendo, muitas coisas foram se adaptando e finalmente, em 1970, a 33ª Exposição de Estadual de Animais aconteceu no Parque de Esteio.

Dois anos após a mudança para a região metropolitana de Porto Alegre, a feira abriu as portas para o resto do mundo, chamando-se assim 1ª Exposição Internacional de Animais – Expointer, contando com mais de 64 hectares de área para exposição, que passaram a 141 hectares em 1998.

Depois disso, a feira bateu recordes de vendas em maquinários, exposições de animais e recebeu um aumento de 62% na comercialização total dos seus produtos. Em 2011, a Expointer contou com um público de quase 700 mil pessoas durante todo o evento!

Qual a importância desse evento para o setor?

Conhecendo um pouco mais sobre a história da Expointer, fica evidente que o evento compõe uma fatia significativa da economia gaúcha atual. Esse fator é muito importante para quem trabalha nesse setor, já que essa feira é considerada um meio repleto de oportunidades para quem trabalha no ramo.

Outro fator muito importante é a exposição da cultura gaúcha através da Expointer. Por ser um evento internacional, o mundo inteiro abre as portas para ver as novidades do agronegócio e, como o evento acontece em terras gaudérias, a feira faz uma preservação do patrimônio cultural do Estado!

Ainda por esse lado, é muito importante também que você, como produtor do ramo, se envolva em expor seus produtos nesse evento gigantesco! A maior vantagem que a Expointer pode apresentar é a visibilidade para seu negócio! Desde troca de conhecimento com pessoas do ramo até parcerias e oportunidades que o evento pode oferecer.

Então, agora que você conheceu o grande evento do setor de agricultura e agronegócio, a Expointer, seus benefícios e sua história, não deixe de conferir nosso conteúdo sobre os benefícios da energia fotosolar voltaica para você aplicar essa tecnologia ao seu negócio. Até mais!

Conheça a importância da calagem do solo

Fonte: Carlos Kurihara

De maneira geral, os solos brasileiros, em especial os da região do Cerrado, são ácidos, pobres em nutrientes e com excesso de alumínio tóxico. Para transformar esses solos em um ambiente mais rico e próprio para atender a demanda produtiva da região, uma boa opção que está presente no mercado há tempos é a calagem.

Esse método serve para diminuir a acidez do solo através dos elementos químicos, como cálcio e magnésio, fornecendo mais produtividade e nutrientes às plantas que futuramente serão plantadas no local.

Com funções de corrigir e condicionar o solo, a calagem garante outras vantagens para os agricultores que trabalham principalmente em ambientes que apresentem superfícies de plantio restritivos. Que tal conhecer a importância da calagem para o solo? Saiba um pouco mais abaixo!

Produtos usados para a calagem

Já que essas regiões mencionadas apresentam períodos de seca e verões intensos, o que dificulta muito a produção de qualquer tipo de plantação, a implementação da calagem apresenta diversas vantagens para os agricultores.

Mas a calagem não é um processo simples a ser feito, é necessário levar em consideração diversas características do ambiente para a sua implementação. Entenda alguns produtos que podem ser aplicados no solo:

  • calcário: o sal do calcário pode ser obtido através da moagem de rochas calcárias. Como seu maior componente é o magnésio, esse produto é muito indicado para solos que possuem carência do mesmo;
  • cal virgem: esse produto é recomendado para solos que necessitam ação imediata através da queima completa de rochas calcárias. Geralmente, esse método é feito antes do plantio, já que essa queima pode prejudicar os organismos presentes no ambiente;
  • cal hidratada: também aplicada antes do plantio, a adição da cal virgem com água deve ser feita com bastante cuidado, pois sua adição no solo deve ser realizada através de uma camada bem fina, já que o cal hidratado acelera as reações com componentes químicos do solo;
  • carbonato de cálcio: originário da moagem de corais e sambaquis, seu funcionamento de neutralização da acidez do solo é bem parecido com do calcário. Ao entrar em contato com a água, o carbonato de cálcio produz uma base forte, ideal para a agricultura e renovação do solo desidratado.

Agora que você já conhece alguns produtos que podem reduzir a acidez do solo e entendeu a principal importância da calagem, vale ressaltar que esses métodos estão relacionados à condição do solo antes da implementação da calagem para saber especificamente qual o tipo ideal de produtos que podem ser usados no solo da sua fazenda de agricultura.

Ficou alguma dúvida quanto a calagem? Não esqueça de deixar um comentário que faremos questão de responder a você! Confira também o uso da tecnologia no tratamento de sementes, assim o procedimento de sua agricultura estará completo! Até mais!

Conheça os benefícios da energia solar fotovoltaica

Fonte: Pixabay

Com simples manutenção e redução de custos para o produtor, a energia fotosolar voltaica – ou energia fotovoltaica – é uma alternativas que vêm garantindo muitos benefícios nas propriedades rurais de todo o Brasil.

De maneira resumida, essa energia consegue converter a radiação do sol em energia elétrica de forma sustentável para que os produtores consigam utilizá-las no seu dia a dia. Através de painéis, essa coleta de energia está integrando a paisagem das propriedades rurais nos últimos tempos.

Mas quais são as outras vantagens da energia fotosolar? Se você está na dúvida se essa é a aposta certa para sua propriedade rural, abaixo, separamos diversos benefícios da energia fotosolar voltaica para você saber tudo sobre ela.

Vantagens da energia fotovoltaica

Mesmo sendo uma ótima opção para diminuir os custos agrícolas, a energia fotovoltaica exige um investimento inicial alto para adquirir os aparatos necessários, como os painéis e instalação dos equipamentos pela propriedade.

Contudo, mesmo que essa questão possa significar um valor inicial maior no bolso dos agricultores, esse investimento costuma ter um prazo de retorno breve, já que as contas de energia costumam vir praticamente zeradas. Também é válido comentar que a instalação das placas pode significar o aproveitamento de áreas improdutivas ou degradadas na propriedade.

Outro fator que surpreende muitos os agricultores que a utilizam é o sistema de funcionamento feito por um aplicativo de celular. Na palma da mão, os fabricantes dos inversores fotovoltaicos mandam informações referentes ao benefício ambiental representado pela economia de energia. Além das citadas, as vantagens que sempre são lembradas por quem tem essa tecnologia em casa são:

  • possibilidade de crédito: nesse caso, se o usuário não utilizar toda a potência gerada, há a possibilidade de enviar o excesso de energia para uma rede distribuidora. Gerando assim, créditos que possam ser utilizados pela propriedade em até cinco anos, de acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel);
  • baixos custos de operação e manutenção: depois de uma vez instalado, os equipamento de captação da energia fotosolar são fáceis de serem operacionais e só devem ser limpados quando houver sujeira sobre eles. Mas cuidado, a higienização só deve ser feita com água e sabão neutro. Com a limpeza correta, isso fará com que sua vida útil seja de até quarenta anos;
  • economia de energia: muitos agricultores buscam a energia fotovoltaica como uma alternativa mais em conta para seu bolso. Contudo, a economia de energia é uma das maiores vantagens que pode ter já que esse processo não degrada o ambiente como outras produções de energia.

O que achou de saber todas essas informações a respeito da energia fotosolar voltaica? Acha que essa é o tipo de energia perfeito para a sua propriedade? Outra dica que podemos dar para você é como usar a tecnologia no tratamento de sementes a seu favor! Se há alguma dúvida a respeito não esqueça de deixar seu comentário! Até mais!

O uso da tecnologia no tratamento de sementes

O uso da tecnologia no tratamento de sementes
Fonte: Pixabay

O tratamento de sementes é considerado uma das estratégias principais para ter produtos de qualidade numa produção. Por causa disso, muitos agricultores têm investido no uso da tecnologia para melhorar e render o insumo agrícola.

Sendo um diferencial importante para os agricultores, é o que garante desde a melhor escolha de sementes até questões genéticas e físicas ideais para o cultivo.

Para isso, é muito importante saber quais são as tecnologias disponíveis no mercado. Está interessado em saber mais? Abaixo, vamos conferir os detalhes dos tipos utilizados no tratamento de sementes. Confira:

Benefícios do tratamento de sementes

A demanda da produção de semente cresceu gradativamente nas últimas décadas e, justamente por isso, o Brasil se tornou um dos maiores mercados de sementes, movimentando em torno de US$4 bilhões ao ano. Dessa forma, o avanço em pesquisa e inovação cresceu junto com o mercado brasileiro.

Com esse tratamento a partir da tecnologia, as sementes recebem medidas eficientes para o seu desenvolvimento. Inclusive, hoje em dia, é possível usar o seu próprio smartphone ou computador para saber informações a respeito das sementes plantadas, desde a semeadura até o beneficiamento das mesmas. Confira agora uma das tecnologias mais usadas:

Inoculantes

Para o crescimento perfeito das sementes, o inoculante é um dos produtos com ações benéficas ao insumo. Essa tecnologia funciona como um material vegetal com culturas bacterianas para aumentar a produtividade da semente, trazendo um melhor custo benefício para o agricultor.

Outro fator bem interessante desse tipo de tecnologia é que esse material recupera os solos de baixa fertilidade. Além de não provocar danos ao meio ambiente, o inoculante é muito indicado para quem deseja preservar a flora e fauna do solo.

Micronutrientes

A aplicação de micronutrientes em sementes é indicado para quem quer uniformidade, qualidade e, principalmente, para quem busca redução de custos no cultivo. Essa tecnologia serve para fortalecer a germinação da semente e é uma das mais usadas no mundo. Aliás, dependendo da cultura, a semente irá precisar de ingredientes específicos na composição dos micronutrientes.

Reguladores de crescimento

Também responsável pelo crescimento das sementes, os reguladores de crescimento funcionam como hormônios. Mas é bom tomar cuidado com o tipo de semente que você está cultivando. Dependendo do caso, há concentrações necessárias para cada tipo de insumo.

Avaliações em laboratório

Outra maneira bem comum de saber se sua semente é um produto de qualidade, é a avaliação em laboratório. Por ser uma forma de evitar ou reduzir problemas relacionados com o cultivo, essas avaliações servem principalmente para verificar se o grão está atendendo os padrões oficiais da Instrução Normativa nº 45, de 17 de setembro de 2013 pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (BRASIL, 2013b).

Agora que você já sobre as ferramentas que são auxiliar no controle de qualidade das suas sementes lembre-se que para ter total sucesso no ramo de insumo de grãos não basta apenas ter toda tecnologia de ponta: a escolha das sementes de alta qualidade deve estar no topo da sua lista de prioridades.

E para complementar o nosso texto, separamos o Guia Abrasem de boas práticas de tratamento de sementes para que você saiba ainda mais a respeito do assunto! Até mais!