Silagem de milho é realmente uma boa opção para o seu negócio?

Exemplo de como fica a silagem de milho pronta.
Fonte: MikPoint

A importância da alimentação na pecuária está diretamente ligada com a qualidade e a quantidade dos produtos derivados do gado e no custo de produção destes produtos. A silagem já é conhecida pelos pecuaristas como a melhor opção por custo-benefício para a alimentação dos animais. Mas, é vantajoso para você conhecer as demais possibilidades, como a silagem de milho, que vamos explicar hoje. Confira!

A silagem de milho é uma boa opção?

O milho é a planta mais utilizada na ensilagem, justamente por ser mais adequada para o processo de produção da silagem — seguido pelo sorgo — pois a produção de matéria seca é maior que as demais opções, assim como a capacidade de fermentação e o notável resultado final que a silagem de milho proporciona na nutrição dos animais e na redução de custos com alimentação.

Essa preferência pela utilização do milho acontece por causa da composição bromatológica da planta, que cumpre todos os critérios necessários para que se consiga uma silagem de qualidade para os animais. Esses critérios, são:

  • valor entre 30% e 35% para o teor da matéria seca (MS);
  • valor mínimo de 3% de carboidrato solúvel em matéria original;
  • ótimo resultado com fermentação microbiana;
  • praticidade e alto volume de produção;
  • o consumo costuma ser espontâneo pelos animais;
  • entre outros.

Por todas essas vantagens que a silagem de milho apresenta, realmente é uma boa opção para o seu negócio. Principalmente para períodos de escassez, é possível suprir as deficiências na alimentação dos animais com a silagem de milho, que também ajuda a melhorar o valor nutricional da dieta deles.

A outra vantagem é a redução de gastos, já que você vai investir menos em concentrados e terá a produção de alimento, até mesmo nos períodos impróprios para a pastagem.

Quais as etapas para fazer a silagem de milho?

Uma boa e eficiente produção de silagem de milho precisa passar por três etapas indispensáveis no processo completo:

  • colheita: nesta etapa é preciso ter certos cuidados, pois a sementes que são usadas para a forragem precisam ser manuseadas adequadamente para que a qualidade nutritiva e o volume da produção sejam efetivos;
  • compactação: nesta fase se remove o espaço entre as partículas da silagem através da retirada do oxigênio. A compactação se torna eficiente a partir do teor de MS da planta e, como vimos no início, o milho é a opção com melhor valor de matéria seca.
  • armazenamento: a umidade do ar e o oxigênio são responsáveis por acelerar a decomposição da silagem, por isso é extremamente importante que a compactação e o armazenamento sejam bem-feitos. Assim, a silagem é mantida bem guardada e com durabilidade muito maior.

Todas as etapas para a produção de silagem do milho precisam ser realizadas com cuidados e responsabilidade porque elas se complementam, ou seja, os resultados eficientes de uma silagem de qualidade dependem da otimização de todo o processo.

Para proporcionar a alimentação adequada para os seus animais, aproveite e leia o conteúdo: Suplemento mineral para bovinos: o que é e quais benefícios? Boa produção e até a próxima dica, aqui, no blog da Revista AG!

O que é silagem?

Fonte: Cristina Bitro (Embrapa)

Muito usado por agropecuaristas para nutrir seus bovinos de cortes e leiteiros, a silagem é um alimento volumoso utilizado como suplemento à pastagem ou, em alguns casos, também é possível que os animais apenas consumam esse tipo de forragem quando estão em confinamento.

De forma compacta e rico em nutrientes, existem diversos tipos de silagem no mercado desde milho, sorgo e capim-elefante. Contudo, uma das dicas para que o produto não estrague é o seu armazenamento correto, dependendo bastante dos tipos de grãos que são feitos.

Se você quer saber sobre quais os tipos de silagem e seus processos, abaixo, separamos algumas informações sobre como a silagem pode mudar positivamente a criação dos seus bovinos. Saiba mais!

Tipos de silagem

Uma dúvida muito comum entre os criadores de bovinos é saber qual o tipo de silagem ideal para oferecer ao rebanho. A principal dica é escolher a silagem de melhor qualidade, já que isso irá se refletir diretamente na qualidade do corte e do leite produzido pelos animais.

Contudo, quando falamos sobre a quantidade de silagem, o importante é pensar em quantos animais vão consumir a forragem e quanto é possível armazenar na sua propriedade, para que o produto não decomponha mais rápido. Os tipos que existem são:

Tipo trincheira

Com formato de trapézio e com uma estrutura construída a partir de uma escavação no solo, esse molde de fornecimento de silagem para os bovinos podem conter diversos tipos de componentes e sementes.

Perfeito para o agricultor que tem grande quantidade de animais, a trincheira precisa ser coberta por lona quando não estiver sendo usada para que o material não estrague com facilidade.

Tipo bolsa

Grãos úmidos e reidratados são usados nesse tipo de silagem. A forragem é ensilada em bolsas plásticas e compactadas por máquinas, o que deixa o custo da silagem mais caro que os outros do mercado. Também chamado de bag ou linguiça, a tipo bolsa não pode ser reaproveitado já que a vida útil do produto é de vinte e quatro meses.

De fardo

Picado, cortado e pré-secado, o produto que será posto nessa silagem é colocado em embalagens plásticas depois de produzido. Esse processo deixa um pouco mais caro, mas, em compensação, essa silagem pode ser encontrado em diversas dimensões o que facilita o armazenamento.

Processos de silagem

Mas como saber se a silagem é o produto de qualidade para os bovinos? Uma das dicas é entender o processo de criação, já que isso influencia diretamente nas propriedades nutricionais do produto. São pelo menos três etapas essenciais nesse processo. Confira um pouco mais sobre elas abaixo:

  • colheita: nesta fase, a semente usada para a criação da forragem deve ser tratada adequadamente para atingir alta produtividade e trabalho efetivo relacionado a nutrição do grão;
  • compactação: a compactação é feita para retirar o oxigênio e remover o espaço entre as partículas. Uma boa compactação depende do teor de MS da planta (ideal de 33%), já que o ar e a umidade pode causar danos na silagem;
  • armazenamento: essencial depois de aberto, um bom armazenamento é aquele onde a silagem é mantida bem fechada já que, como dissemos acima, a umidade e o ar podem acelerar o processo de decomposição do produto.
Fonte: Marina Torres (Embrapa)

Agora que você já sobre silagem, quais são seus tipos e entende um pouco mais sobre o processo de sua criação, pode escolher a forragem com mais qualidade para com os seus bovinos!

Para completar as suas pesquisas sobre o assunto, conheça a Revista AG, onde você pode ter acesso a outros conteúdos importantes para o seu dia a dia. Ficou com alguma dúvida? Comente abaixo para ajudarmos você! Até mais!