Silagem de milho é realmente uma boa opção para o seu negócio?

Exemplo de como fica a silagem de milho pronta.
Fonte: MikPoint

A importância da alimentação na pecuária está diretamente ligada com a qualidade e a quantidade dos produtos derivados do gado e no custo de produção destes produtos. A silagem já é conhecida pelos pecuaristas como a melhor opção por custo-benefício para a alimentação dos animais. Mas, é vantajoso para você conhecer as demais possibilidades, como a silagem de milho, que vamos explicar hoje. Confira!

A silagem de milho é uma boa opção?

O milho é a planta mais utilizada na ensilagem, justamente por ser mais adequada para o processo de produção da silagem — seguido pelo sorgo — pois a produção de matéria seca é maior que as demais opções, assim como a capacidade de fermentação e o notável resultado final que a silagem de milho proporciona na nutrição dos animais e na redução de custos com alimentação.

Essa preferência pela utilização do milho acontece por causa da composição bromatológica da planta, que cumpre todos os critérios necessários para que se consiga uma silagem de qualidade para os animais. Esses critérios, são:

  • valor entre 30% e 35% para o teor da matéria seca (MS);
  • valor mínimo de 3% de carboidrato solúvel em matéria original;
  • ótimo resultado com fermentação microbiana;
  • praticidade e alto volume de produção;
  • o consumo costuma ser espontâneo pelos animais;
  • entre outros.

Por todas essas vantagens que a silagem de milho apresenta, realmente é uma boa opção para o seu negócio. Principalmente para períodos de escassez, é possível suprir as deficiências na alimentação dos animais com a silagem de milho, que também ajuda a melhorar o valor nutricional da dieta deles.

A outra vantagem é a redução de gastos, já que você vai investir menos em concentrados e terá a produção de alimento, até mesmo nos períodos impróprios para a pastagem.

Quais as etapas para fazer a silagem de milho?

Uma boa e eficiente produção de silagem de milho precisa passar por três etapas indispensáveis no processo completo:

  • colheita: nesta etapa é preciso ter certos cuidados, pois a sementes que são usadas para a forragem precisam ser manuseadas adequadamente para que a qualidade nutritiva e o volume da produção sejam efetivos;
  • compactação: nesta fase se remove o espaço entre as partículas da silagem através da retirada do oxigênio. A compactação se torna eficiente a partir do teor de MS da planta e, como vimos no início, o milho é a opção com melhor valor de matéria seca.
  • armazenamento: a umidade do ar e o oxigênio são responsáveis por acelerar a decomposição da silagem, por isso é extremamente importante que a compactação e o armazenamento sejam bem-feitos. Assim, a silagem é mantida bem guardada e com durabilidade muito maior.

Todas as etapas para a produção de silagem do milho precisam ser realizadas com cuidados e responsabilidade porque elas se complementam, ou seja, os resultados eficientes de uma silagem de qualidade dependem da otimização de todo o processo.

Para proporcionar a alimentação adequada para os seus animais, aproveite e leia o conteúdo: Suplemento mineral para bovinos: o que é e quais benefícios? Boa produção e até a próxima dica, aqui, no blog da Revista AG!

Rastreabilidade Bovina: o que é e como utilizar

Animal com identificação de rastreabilidade bovina.
Fonte: Pixabay

Criadores de grandes rebanhos de gado precisam ter um cuidado muito maior na identificação de cada animal. Para facilitar esse processo foi criado o sistema de rastreabilidade bovina, que permite o cadastro de várias informações importantes desde o nascimento do animal até o seu abate.

Saiba mais sobre esse método e como utilizá-lo para melhorar a qualidade e a credibilidade da sua criação de gado!

O que é rastreabilidade bovina

O Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) determinou a rastreabilidade bovina como o melhor método para que os pecuaristas, fazendeiros e criadores consigam mapear a vida de cada boi para ter um controle preciso e a maior credibilidade do produto.

Além de melhorar a qualidade do produto, o que é bom tanto para a segurança de quem vende quanto para a saúde de quem compra, a rastreabilidade também apresenta outras vantagens para os pecuaristas e fornecedores:

  • Tanto para o comércio nacional quanto o internacional, a rastreabilidade bovina é importante para que os criadores de gado mostrem que estão atuando dentro das normas, sem irregularidades no processo e na criação.
  • Com o sistema de rastreabilidade é possível fazer o registro de informações que melhora o controle sanitário, como todas as vacinas do animal e as mudanças no local de manejo.
  • Esse método dá mais garantias ao pecuarista, pois o sistema digital é mais seguro quanto ao armazenamento de dados e evita a perda irrecuperável de informações importantes.
  • A rastreabilidade também ajuda os pecuaristas a economizarem com gastos de materiais de identificação e serviços de exportação de dados sobre o rebanho, que são métodos de custo maior.
  • Por fim, todos os trabalhadores envolvidos (os donos do gado, os fornecedores, os compradores, etc) se beneficiam com esse método, já que qualquer uma dessas pessoas pode ter acesso aos dados de distribuição dos produtos e derivados.

Como utilizar o sistema de rastreabilidade bovina

A rastreabilidade bovina, atualmente, é feita através de um chip de identificação eletrônica. Esse chip precisa ser aplicado no animal e dois métodos podem ser utilizados para isso:

  • Chip “brinco”: é colocado na orelha do animal. Essa é a opção mais utilizada, tanto que você já deve ter visto bois com um objeto de plástico, semelhante a um brinco, preso em uma das orelhas.
  • Chip no rúmen: o rúmen é um dos compartimentos que formam o estômago dos animais ruminantes. Existe um tipo de chip que pode ser colocado neste local, porém o seu custo é mais elevado do que o anterior.

Com a identificação de todo o gado, o criador faz os registros, a gestão e o monitoramento dos dados através da plataforma do Sistema de Identificação e Certificação de Origem Bovina e Bubalina (SISBOV), tudo dentro das normas prescritas no sistema.

Se você gostou das informações que nós, da Revista AG, trouxemos neste conteúdo, então continue aumentando o seu conhecimento com os posts do nosso blog. Por hoje, deixamos a dica de leitura: Como funciona a criação de gado nelore. Até mais!

Suplemento mineral para bovinos: o que é e quais os benefícios?

Suplemento mineral para bovinos.

O suplemento mineral para bovinos é muito importante para quem trabalha com criação de rebanho para corte. Este produto, além de ser um elemento contribuinte para o desenvolvimento ideal do gado, ajuda a garantir maiores índices de produção para o negócio.

Mas, mesmo sendo um complemento para o rebanho, muitas pessoas ainda não sabem o que é este produto e quais são os seus benefícios. Para explicar mais sobre o assunto, trouxemos diversas informações para sanar qualquer dúvida a respeito!

O que é o suplemento mineral de bovinos?

Mesmo que o ambiente e o capim estejam em perfeitas condições para a pastagem, eles não conseguem fornecer todos os tipos de nutrientes possíveis para que o animal esteja ideal para o corte. Por causa disso, surgiram diversos tipos de suplementação para melhorar a produtividade e a rentabilidade ao trabalhar com este negócio.

No caso do suplemento mineral, o complemento recupera o equilíbrio de nutrientes não adquiridos nas pastagens, incluindo o fósforo em sua composição, por exemplo, já que este mineral possui uma grande importância para o desenvolvimento e o crescimento do animal.

Eles servem, basicamente, para melhorar a carne, a gordura, o leite e até mesmo o crescimento ósseo do rebanho, além de melhorar o sistema imunológico dos animais, os deixando mais resistentes para o corte.

O pecuarista que deseja implementar a suplementação mineral na alimentação do seu rebanho pode produzir o complemento em sua propriedade ou comprá-lo em comércios apropriados. Contudo, ao optar pela produção própria, é necessário ter equipamentos e mão de obra qualificada para que não haja riscos de contaminação do produto e nem perda de material durante a sua confecção.

Tipos de suplementos minerais para bovinos

Existem diversos tipos de suplementos minerais para bovinos, entre eles:

Sal mineral proteinado

Este suplemento mineral é enriquecido com fontes de proteína, potássio, cálcio e ferro, e pode ser oferecido durante o ano todo para o rebanho. Na sua composição também encontramos ureia, deixando o suplemento mais vantajoso do ponto de vista econômico.

Sal mineral com ureia

Quando falamos sobre este suplemento, podemos dizer que serve para manter os animais em condições ideais de peso durante o período de seca. Mas cuidado, este produto não pode ser oferecido ao rebanho quando estão muito magros ou em jejum, já que a sua utilização inadequada pode causar a intoxicação no animal.

Sal mineral proteico energético

Com fontes de proteína e energia, o complemento de sal mineral proteico energético é utilizado apenas em épocas de seca, para atingir a exigência mineral da produção de gados de corte com regime em pastagem.

Além da suplementação mineral para complementar a dieta dos seus animais, é indispensável que seja realizada uma boa formulação de ração para bovinos de corte. Para ajudar você, converse com um técnico que possa indicar as estratégias ideais para o seu rebanho, com base no objetivo e nas metas do seu negócio!