A Granja do Ano – 36 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Destaques 2020 DEFENSIVOS BIOLÓGICOS - Koppert

Lavouras salvas pela natureza

A Koppert do Brasil é uma referência em produtos biológicos, além de ser atuante em iniciativas de pesquisa como a Sparcbio

Descreva as características e os diferenciais dos mais recentes lançamentos da Koppert e que benefícios esses produtos promovem nas lavouras dos produtores?

A Koppert lançou vários produtos em 2020, ampliando consideravelmente seu portfólio. Destacamos o Trianum DS (Trichoderma harzianum Cepa T22), primeiro produto biológico composto por fungo do Brasil que pode ser utilizado no tratamento de semente industrial (TSI). Elaborado com a cepa T22, desenvolvida por meio de uma fusão entre as melhores linhagens do Trichoderma harzianum, o produto é uma exclusividade da Koppert e apresentou, nos campos demonstrativos realizados durante a safra 2019/20, redução significativa na incidência e na severidade dos patógenos de solo (fungos e nematoides). Além disso, promoveu o crescimento de raiz e parte aérea das plantas, que acarretou um incremento médio de 3,4 sacas/hectare nos campos de soja. Lançamos três produtos com o agente ativo Bacillus amyloliquefaciens, que é uma bactéria que atua como nematicida e auxilia na reestruturação da biota do solo, aumentando a capacidade de absorção de nutrientes pelas plantas. Indicados para tratamento de sementes, o Chevelle foi formulado para aplicação em hortifrútis; o Veraneio, para as culturas de grãos e cereais; e o Boneville, para ser utilizado no plantio da cana-de-açúcar. O último lançamento foram os produtos da Linha Natugro de bioativadores formulados com o extrato da alga marinha Ascophyllum nodosum, que promove o crescimento das plantas e melhora sua resistência frente aos estresses e ao ataque de pragas e doenças. Outros produtos: Roadster, para cana-de-açúcar; Stingray, para grãos; e Acadian, para hortifrutícolas.

Como tem sido a aceitação e a adesão dos produtores de grandes culturas como soja, milho e algodão aos defensivos biológicos?

Em relação aos nossos clientes, não há um único perfil. Temos desde grandes produtores de grãos e cana até horticultores e produtores de orgânicos. A maioria utiliza levando em conta o custo-benefício tanto financeiro quanto de sustentabilidade e saúde. A aceitação nas grandes culturas tem aumentado a cada temporada, principalmente quando constatam a eficácia do controle biológico em suas propriedades.

Como está a pesquisa e o desenvolvimento, no Brasil, de defensivos biológicos para ambientes de agricultura tropical?

A Koppert investe muito em pesquisa e desenvolvimento e inaugurou neste ano, em parceria com a Fapesp e a Esalq/USP, com investimento conjunto de R$ 40 milhões, o Sparcbio (São Paulo Advanced Research Center for Biological Control), um centro de pesquisas que tem como foco o desenvolvimento de um novo modelo de manejo de controle de pragas e doenças para a agricultura brasileira, mais sustentável. O centro conta com a participação de diversos pesquisadores e especialistas diretamente envolvidos com o projeto e com as seguintes linhas de pesquisa: descoberta de novos agentes biológicos de controle; desenvolvimento de novas tecnologias e geração de conhecimento em manejo integrado de pragas e doenças.