A Granja do Ano – 37 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Arroz

Preços fervendo

Visto o isolamento social, houve intensa corrida aos supermercados para estocar arroz. Assim, a exemplo, o preço ao produtor no Rio Grande do Sul – principal produtor – saltou de R$ 48,00 por saca, no início do ano, para R$ 56,00 em abril. E o dólar alto ainda beneficia a exportação e atrapalha a importação do cereal. A safra 2020/21 deverá ter incremento de 5,2%, com 3,7% a mais de produção

Rodrigo Ramos
[email protected]

O mercado brasileiro de arroz vive um ano totalmente atípico, em virtude da pandemia do novo coronavírus. Historicamente, os preços do cereal iniciam os anos aquecidos, devido ao período de entressafra. Porém começam a perder força entre fevereiro e abril, com a colheita do maior produtor nacional, o Rio Grande do Sul. Em 2020, a conjuntura mundial alterou toda essa lógica. Em meados de março, quando a Covid-19 foi classificada como pandemia, a população correu aos supermercados para garantir o abastecimento desse alimento considerado básico. Esse movimento de demanda fez o preço disparar, em virtude da grande procura pelo arroz, já que a população queria estocar o produto. E, com a oferta reduzida neste ano (2020), em função da safra menor, os preços dispararam.

O décimo levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para a safra brasileira 2019/20 indica produção de 11,168 milhões de toneladas, o que representa um acréscimo de 6,5% sobre os 10,483 milhões de toneladas de 2018/19. No nono levantamento, eram esperados 11,126 milhões de toneladas. A área plantada em 2019/20 foi estimada em 1,665 milhão de hectares, ante 1,702 milhão de 2018/19. A produtividade foi estimada em 6.706 quilos/hectare, superior em 8,9% aos 6.158 quilos da temporada passada.

O Rio Grande do Sul deverá ter uma safra de 7,866 milhões de toneladas, avanço de 6,5%. A área prevista é de 946 mil hectares, perda de 5,5% ante o 1,001 milhão de hec...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante desta revista, clique Aqui e Assine Agora!