A Granja do Ano – 37 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Flores

Negócios murcharam

O segmento de flores foi um dos mais afetados pela pandemia da Covid-19. Com festas e eventos cancelados, segmento de corte pode ter queda de 50% em 2020

Eliza Maliszewski

A floricultura brasileira sempre foi conhecida pela sua organização e por gerar bons negócios. Em 2019, o setor de flores e plantas ornamentais cresceu acima de 8%, faturando perto de R$ 8 bilhões. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor), a crescente vem desde 2012, sempre com aumento entre 8% e 16% e faturamento acima de R$ 5 bilhões, com São Paulo sendo o maior produtor e puxando essa receita.

No País, a produção é dividida em flores de corte, usadas em decoração, como rosas e alstroemérias, e as de vaso, como orquídeas e kalanchoes. A cadeia comporta cerca de 8,3 mil produtores, 60 centrais de atacado (como as cooperativas, por exemplo), 680 atacadistas e prestadores de serviço e mais de 20 mil pontos de varejo. São cerca de 15,6 mil hectares de área cultivada. Só em 2019 foram criados 209 mil postos de trabalho no segmento.

As boas projeções para 2020 barraram na Covid-19, a partir de março. Inicialmente, todos os estabelecimentos fecharam, e eventos foram cancelados. Cerca de 40 milhões de flores foram para o lixo em Holambra/SP, cidade referência na produção. A princípio, a queda nas vendas atingiu mais de 70%, e os prejuízos ficaram acima de R$ 40 milhões. Aos poucos, alguns estabelecimentos reabriram, e, em julho de 2020, já se podia ter uma melhor visão sobre o ano.

Renato Opitiz, diretor do Ibraflor, explica que, além da questão da comercialização, a pandemia afetou bastante a produção, a logística, a importação e uma série de outros aspectos. "O setor de flores, em 2020, vinha bem até o começo de março, e as expectativas eram de um crescimento da ordem de 10% a 12%, mas tudo mudou. Os produtores se readequaram, alguns mudaram os pr...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante desta revista, clique Aqui e Assine Agora!