A Granja do Ano – 36 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Destaques - Irrigação

Irrigação conduzida com precisão

Destaques

Valmont acredita no potencial do Brasil para o aumento das lavouras irrigadas e desenvolve soluções que auxiliam na gestão dos sistemas

A Granja do Ano — Quais são os mais recentes destaques em equipamentos e soluções para irrigação desenvolvidos pela empresa?

Renato Silva — A Valmont está constantemente empenhada em conhecer as demandas do mercado e, ao mesmo tempo, em busca de soluções que respondam aos anseios dos produtores. Em 2018, concentramos esforços no setor canavieiro que conhece a importância da irrigação para uma maior produtividade, mas que se deparava com o desafio do alto investimento de capital. E, nesse sentido, lançamos uma inovadora modalidade de negócio – o Valley Rental –, possibilitando o aluguel de equipamentos pelas usinas. Em termos de equipamentos, o X-Tec foi o grande lançamento de 2018, um sistema de irrigação que combina velocidade e potência para oferecer uma solução ideal para terrenos irregulares, em até metade do tempo convencional. O motor de corrente contínua (CC) do X-Tec permite a conclusão do trabalho em até 50% do tempo necessário para modelos convencionais, que funcionam à corrente alternada (CA). É mais uma grande tecnologia que se junta ao ICON, primeiro SmartPainel do mercado, que, lançado em 2017, elevou a agricultura de precisão para um novo patamar. São inovações para levar mais facilidade e lucratividade para o nosso cliente.

Quais são as principais inovações em irrigação de precisão? De que formas essas tecnologias favorecem a gestão do uso da água nas lavouras?

O processo de irrigação está cada vez mais tecnológico e automatizado. Hoje, é possível controlar tudo a distância e com precisão, facilitando a rotina na propriedade e, principalmente, otimizando os resultados. Com o Irriger Connect, por exemplo, o produtor consegue reduzir custos e aumentar a produtividade por meio do mapeamento de demandas de irrigação e do monitoramento dos sistemas adotados pela propriedade. Esse gerenciamento integrado combina uma série de funcionalidades e análises métricas das operações, representando uma revolução no consumo de água para irrigação. Além disso, o planejamento também pode ser feito com base no monitoramento mensal do consumo de energia. Assim, oferece possibilidade da economia desses dois recursos tão importantes. Aliando tecnologia e assessoria técnica de qualidade, é possível medir exatamente o volume de água necessário para a lavoura, favorecendo a gestão do uso da água.

Quais são os principais benefícios da utilização da irrigação na agricultura?

São inúmeros. O aumento de produtividade por hectare, um maior número de safras por ano e a melhoria da qualidade dos alimentos produzidos, fundamentais para possibilitar a sustentabilidade e expansão da produção agrícola no Brasil, contribuindo para o atendimento da demanda mundial. Por consequência, claro, há um aumento significativo da renda para o produtor irrigante, que consegue deixar a atividade mais lucrativa.

Destaques

Renato Silva é diretor- -presidente da Valmont no Brasil

Qual é o atual cenário da agricultura irrigada no Brasil e quais são os principais desafios para o aumento da área com a tecnologia no nosso País?

O Brasil possui cerca de 2 milhões de hectares irrigados com pivô e tem um enorme e seguro potencial de crescimento. Em termos gerais, segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), em 2015, o Brasil atingiu 6,95 milhões de hectares de área irrigada. Mas o nosso potencial, de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), é de quase 11,5 milhões de hectares, considerando um horizonte até 2024, o que representa um salto de 65%. Os maiores desafios estão concentrados na dificuldade de liberação do licenciamento ambiental e, em algumas regiões, até mesmo no acesso à energia elétrica. É preciso criar políticas públicas que incentivem esses investimentos que têm reflexo na economia brasileira e na oferta de mais alimentos para o mundo.