A Granja do Ano – 34 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Destaque 2017 Leite CASTROLANDA

Destaque

Excelência do campo até a mesa

Com processos que iniciam na fabricação da matéria-prima, Castrolanda investe na melhoria contínua dos alimentos levados ao consumidor

Nome da empresa: Castrolanda Cooperativa Agroindustrial Ltda.

Sede matriz: Castro/PR

Unidades: 12 unidades em Castro; 1 em Ponta Grossa; 3 em Piraí do Sul; 2 em Ventania; 2 em Curitiba; 8 em outros estados

Volume de leite captado em 2016: 253 milhões de litros

Faturamento em 2016: 2,82 bilhões (29% cadeia de lácteos)

A Granja do Ano — Quais são as principais conquistas da Castrolanda nos últimos meses e quais os próximos projetos ?

Frans Borg — A cooperativa vivenciou em 2016 momentos muito gratificantes com a conquista de prêmios que reconhecem sua melhoria contínua. Em novembro do ano passado, recebemos o Prêmio Sescoop Excelência de Gestão, reconhecimento nacional às cooperativas que buscam o aumento da qualidade e da competitividade do cooperativismo. Também em novembro, entramos na lista das melhores empresas para se trabalhar no Paraná, ocupando o 10º lugar no ranking elaborado pelo instituto Great Place to Work (GPTW). Em julho, fomos agraciados, pelo segundo ano consecutivo, com o Prêmio Global Dupont Respeito ao Meio Ambiente e saímos vencedores na América Latina. Esse prêmio internacional é entregue a empresas que apresentam projetos voltados à armazenagem segura de defensivos agrícolas, gestão ambiental e incentivo a boas práticas no manejo desses produtos.

Como a Castrolanda trabalha para garantir a qualidade dos produtos que leva ao consumidor?

A busca pela excelência na qualidade dos nossos produtos é o que motiva nossos processos. Estamos percebendo a crescente preocupação do consumidor com aquilo que consome, a procura por produtos mais saudáveis e embalagens que possuam bom conteúdo informativo. Em contrapartida, nós estamos preocupados com a qualidade de vida e bem-estar dos nossos clientes e da comunidade que nos cerca. Para tanto, investimos em produtos cada vez mais selecionados e que tenham suas particularidades atestadas. Exemplo disso é o Feijão Tropeiro Seleção, que passa por rigoroso processo de qualidade desde o plantio até o ponto de venda, e recebe o selo de aprovação da Fundação ABC. Quando falamos em leite, celebramos o lançamento do Naturalle, uma linha completa de leites UHTS completamente sem aditivos. É leite 100% leite. Isso só é possível devido à qualidade da nossa matéria-prima e de uma logística eficiente que permite que o leite chegue rapidamente à indústria e não precise passar por processo térmico com aditivos.

Quais são os diferenciais da Castrolanda na produção leiteira?

Destaque

Frans Borg é diretor-presidente da Castrolanda

O cooperado da Castrolanda tem participação direta em 45% do capital das indústrias lácteas, e por essa razão ele participa das sobras ou perdas das mesmas. Nos últimos anos as indústrias lácteas consistentemente distribuíram sobras aos cooperados. Existe a consciência por parte do nosso cooperado que ele produz a matéria-prima para o seu próprio negócio, que a sua responsabilidade e resultado estão além daquilo que ele faz dentro da porteira. Temos também políticas que trazem estabilidade no quadro de cooperados, preços pagos, valorização da qualidade do leite e redução da sazonalidade da produção. Essas políticas são estabelecidas pelo Comitê do Pool Leite, no qual participam representantes dos produtores, que definem as regras para mais de 1,2 mil produtores de sete diferentes cooperativas. Esse processo, além de trazer desafios para que os produtores evoluam na qualidade, traz transparência e representatividade aos produtores, criando assim um ambiente para a melhoria contínua nas propriedades. Não podemos deixar de destacar a capacidade de organização da Castrolanda em relação ao apoio do produtor na cadeia. Seja no acesso ao crédito, na aquisição de insumos, no acesso a tecnologia e capacitação, na gestão da propriedade e outras ações.

Como avalia o momento da cadeia leiteira no Brasil? Quais os principais desafios?

Estamos em um momento no qual a adoção de tecnologia, a boa oferta de forragens e os custos competitivos dos grãos, trouxeram um incremento grande à produção leiteira nacional. Por outro lado, a demanda está fraca, a nossa conjuntura econômica está restringindo o consumo de lácteos da nossa população. Temos ainda o agravante de que não temos nem identidade como país grande importador ou grande exportador de lácteos. Todos os movimentos necessários para ajustar os desequilíbrios entre oferta e demanda são pontuais, emergenciais e desorganizados, o que desfavorece a nossa competitividade e também traz oscilações abruptas nos preços pagos aos produtores.