SAFRAS corta produção de milho do Brasil em 2020/21 para 104,138 milhões de t

A produção brasileira de milho em 2020/21 deverá totalizar 104,138 milhões de toneladas, segundo a nova estimativa divulgada hoje por SAFRAS & Mercado, ficando abaixo das 106,833 milhões de toneladas colhidas na temporada 2019/20.

O consultor de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, destaca que os números estão sendo revisados frente aos divulgados em março, que apontava uma safra de 112,814 milhões de toneladas, em decorrência da seca, que ocasionou perdas em todos os estados produtores da safrinha.

SAFRAS estima que a área total cultivada no Brasil deve crescer 8,0% frente à temporada 2019/20, de 19,537 milhões de hectares, ocupando 21,108 milhões de hectares. Na estimativa anterior, a área havia sido indicada em 20,752 milhões de hectares.

A produtividade média da safra brasileira 2020/21 deve ficar em 4.933 quilos por hectare de milho, inferior aos 5.436 quilos por hectare projetados em março e aos 5.468 quilos por hectare obtidos na temporada 2019/20.

A nova previsão de SAFRAS manteve os números indicados em março, estimando uma produção de verão 2020/21 de 21,645 milhões de toneladas de milho, contra as 23,161 milhões de toneladas do ano anterior.

A área cultivada na safra de verão 2020/21 seguiu estimada em 4,353 milhões de hectares, subindo 5,7% frente aos 4,118 milhões de hectares cultivados em 2019/20. A produtividade média da safra de verão foi estimada em 4.973 quilos por hectare, abaixo dos 5.624 quilos por hectare registrados na safra de verão 2019/20.

Na safrinha, segundo Molinari, houve um corte bastante expressivo na estimativa de produção devido à estiagem, que foi revisada para 70,788 milhões de toneladas, ante as 80,685 milhões de toneladas indicadas no mês de março. “Houve perdas significativas na safrinha do Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás e Mato Grosso. Com isso a segunda safra deste ano deve ficar abaixo das 73,478 milhões de toneladas colhidas em 2020”, sinaliza.

SAFRAS estima a área cultivada na segunda safra de 14,401 milhões de hectares, 8,5% acima dos 13,27 milhões de hectares cultivados na safrinha 2020. A área também é maior frente aos 14,211 milhões de hectares de milho projetados em março.

Em razão dos efeitos da estiagem, Molinari sinaliza que a produtividade média da safrinha 2021 deve ficar em 4.915 quilos por hectare, aquém dos 5.537 quilos por hectare de milho colhidos na segunda safra de 2020. Na estimativa anterior, a produtividade média havia sido indicada em 5.677 quilos por hectare.

SAFRAS estima que a produção das regiões Norte e Nordeste em 2020/21 irá compensar um pouco as perdas registradas na safrinha e ficará em 11,705 milhões de toneladas de milho. O volume fica acima das 10,483 milhões de toneladas projetadas em março e à frente das 10,193 milhões de toneladas colhidas na temporada 2019/20.

A área cultivada nas regiões Norte e Nordeste na temporada 2020/21 deve avançar 9,6% frente aos 2,148 milhões de hectares cultivados na safra anterior, chegando a 2,354 milhões de hectares. Na estimativa passada, a área projetada era menor, de 2,187 milhões de hectares de milho.

A produtividade de milho a ser produzido nas regiões Norte e Nordeste em 2020/21 deve alcançar 4.972 quilos por hectare, superando os 4.745 quilos por hectare obtidos em 2019/20.

Data: 03/05/2021
Fonte: Safras & Mercado

Últimas notícias