Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico com nova diretoria

A Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico (ABC Bio) acaba de eleger uma nova diretoria. O empresário Arnelo Nedel (foto) assume a presidência da entidade para a gestão 2019/2020 no lugar de Gustavo Herrmann, que comandou a associação nos últimos dois anos. Na mesma assembleia que definiu a nova direção e o Conselho Fiscal, foram delineadas algumas ações estratégicas para os próximos anos, com destaque para a elaboração de pautas e estratégias de interesse do setor junto aos órgãos reguladores e entidades de produtores agrícolas. Além disso, pretende-se ainda construir massa crítica acadêmica para promover o tema de biodefensivos em diferentes fóruns.

Para ter sucesso nessa proposta, a intenção da nova direção será intensificar a elaboração de estudos sobre o setor, seguindo a mesma linha da pesquisa recentemente divulgada e que, pela primeira vez, dimensionou a área tratada com biodefensivos no Brasil, totalizando 10 milhões de hectares, sendo soja, cana, café, hortaliças e frutas as principais culturas que utilizam o insumo. A pesquisa foi encomendada pela ABC Bio, realizada pela Informa FNP e concluiu também que o segmento responde atualmente por uma movimentação anual da ordem de R$ 528 milhões, confirmando um viés de expansão e consolidação da tecnologia de controle biológico como estratégia inovadora e sustentável para produção agrícola no país.

Além de estudos e análises semelhantes, a nova direção da ABC Bio pretende, a partir desse tipo de ação, organizar melhor os dados sobre o setor, de forma a ter relatórios analíticos sobre o mercado de controle biológico, divulgar o máximo possível esses dados para formação de uma massa crítica de informações que oriente a tomada de decisão estratégica e operacional das empresas do segmento. Ao lado desse esforço na disseminação de dados, a nova gestão pretende ainda aprofundar o desenvolvimento de estratégias para promover segurança jurídica aos desenvolvedores de biodefensivos; auxiliar na regulamentação favorável à aprovação e uso desse insumo; além de trabalhar para que a qualidade na produção seja premissa essencial, auxiliando no uso responsável da tecnologia de controle de pragas e doenças nas lavouras brasileiras.

Nesse particular, as ações operacionais incluem: identificação de programas e parâmetros de qualidade, alinhados com os associados, de forma a elaborar documentos com boas práticas reconhecidas por agências governamentais e também pelos demais elos da cadeia produtiva. A direção da ABC Bio entende que só assim se constrói e conserva a reputação positiva que a área já conquistou nos últimos anos no Brasil. Para alcançar tais compromissos, a direção da ABC Bio planeja estreitar o relacionamento com academia, produtores, governo, entidades setoriais e empresas; reforçar o treinamento de produtores, técnicos, representantes de governos e associações; além de estabelecer parcerias para compartilhamento de ações. Tem ainda desenhada uma estratégia para antecipar tendências globais com potencial de impacto no setor. Em relação a este último ponto, a ideia é acompanhar as discussões internacionais do segmento por meio de parceiros globais.

Por fim, a estratégia de médio e longo prazos também contemplará um reforço na comunicação das realizações da entidade e do setor em diferentes plataformas. Nesse caso, se pretende: aumentar a presença digital da ABC Bio em diferentes mídias, engajar influenciadores digitais até que a entidade se torne referência no tema de biodefensivos. É considerado estratégico também, no médio prazo, ampliar a rede de canais de terceiros para divulgação de mensagens do setor, assim como promover a geração de conteúdo elaborado por terceiros. Aqui, a proposta é ampliar a atuação na gestão e acompanhamento das mídias sociais, tendo um alinhamento com o trabalho já feito com a mídia tradicional e os formadores de opinião.

Data: 08/01/2019
Fonte: ABC Bio

Últimas notícias