Safra Inverno

Cotações AQUECIDAS estimulam ânimo e área

A valorização dos preços dos cereais de inverno e até a crescente demanda desses grãos pela indústria de proteína animal vão provocar a expansão das lavouras de trigo, triticale e cevada

Marcelo Klein e Giovani Faé, da Transferência de Tecnologia da Embrapa Trigo; Aloísio Alcantara Vilarinho, pesquisador em Genética e Melhoramento de Culturas Anuais da Embrapa Trigo

Aprodutividade média da cultura do trigo na Região Sul, nos últimos dez anos, variou de 35 a 53 sacas por hectare. No período de 2011 a 2020, a produtividade média dos três estados aumentou 16 quilos/hectare/ ano (Tabela 1). Nesse mesmo período, no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e no Paraná – que respondem por mais de 90% da produção nacional – a área cultivada variou de 1,7 milhão a 2,1 milhões de hectares, enquanto a produção total do País foi de 4,2 milhões para 6,7 milhões de toneladas. No Sul, o trigo possui potencial produtivo que pode superar sete toneladas por hectare, como atestam inúmeros resultados experimentais. Aproximar as médias de produtividade das lavouras do potencial produtivo alcançado pela pesquisa é um desafio posto aos produtores e aos assistentes técnicos. É fato que o retorno econômico das lavouras é uma relação direta com a receita bruta obtida por hectare em produção, menos os desembolsos em insumos e custos fixos e variáveis de cada propriedade. Portanto, para aumentar a receita líquida, pode-se aumentar a produtividade por hectare ou utilizar de forma mais racional os insumos, além de explorar melhor os fatores de produção disponíveis, de modo a diminuir custos. Para 2021, os cenários são otimistas para a cultura com relação ao preço pago por saca de 60 quilos. No ano passado, por exemplo, houve aumento superior a 70% nas cotações. Isso resultou da menor oferta do principal fornecedor externo, a Argentina, ao ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!