Plantio Direto

Práticas mecânicas e vegetativas para DESCOMPACTAÇÃO EM SPD

Marcelo Raul Schmidt e Tiago Stumpf da Silva, estudantes de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo da Ufrgs, [email protected]; Renato Levien e Renato Michael Mazurana, professores da Ufrgs

Acada ano, nota-se uma expansão do sistema plantio direto, em que cerca de 51% das áreas agrícolas cultivadas no Brasil estão sob esse sistema de manejo. No entanto, juntamente com essa expansão, ocorre aumento da preocupação com a compactação do solo. Tal problema pode ser um dos principais fatores relacionados à oscilação da produtividade das culturas, especialmente em anos com déficit hídrico. Nesses anos, as raízes não conseguem explorar grandes volumes de solo em profundidade, o que diminui a capacidade de absorção de água e de nutrientes.

Quanto à mitigação do impacto da compactação na produtividade das culturas, uma das principais indagações é quanto à eficiência de métodos culturais (rotação de culturas comerciais e plantas de cobertura com sistema radicular abundante) e mecânicos (escarificação e elementos sulcadores tipo haste sulcadora e discos na semeadora) em diferentes graus de severidade da compactação do solo. Ou seja, até que grau de compactação a intervenção pode ser por práticas culturais, e a partir de que grau de compactação deve-se realizar uma intervenção mecânica.

Diagnóstico da compactação

Um ponto importante é realizar o diagnóstico da compactação do solo. No entanto, muitas vezes, opta-se pela escarificação sem realizá-lo, o que pode acarretar gastos desnecessários de combustível, tempo e equipamentos. Além de, em alguns casos, ter durabilidade de poucas safras.

É possível que, em determinadas condições, a compactação possa ser mitigada com o simples uso de plantas de cobertura (a médio e longo prazos) ou com uma prátic...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!