Tecnologia

O presente dos VEÍCULOS AGRÍCOLAS AUTÔNOMOS

Os VAA já desenvolvidos proporcionam redução de tempo de operação, menores usos de produtos e de combustível, inferior desgaste dos equipamentos, além de serem mais seguros na operação e propiciarem maior produtividade

Victor Ubiracy Borba, graduado em Ciência da Computação e mestre em Ciência da Informação, pesquisador tecnológico no CIAg (Centro de Inovação no Agronegócio), [email protected]

O aumento demográfico acelerado exige melhores métodos e técnicas de produção agrícola. E dentre elas uma vem ganhando grande destaque, os veículos agrícolas autônomos. O segmento de veículos autônomos (VA) teve início com o conceito de autorama proposto pela General Motors (GM), em 1939, na Feira Mundial de Nova Iorque. Após isso, na década de 1950, a GM cria uma série de versões futuristas de um carro conceito, o Firebird, que em sua segunda versão, o Firebird II, possuía um sistema que seria capaz ler um condutor elétrico instalado nas rodovias para que assim o veículo fosse conduzido sem que o motorista precisasse intervir ao volante.

Com o passar dos anos e o avanço da tecnologia, robótica e inteligência artificial, os veículos autônomos ganharam grande destaque em 2004, com o Darpa Grand Challenge, uma competição criada pela Defense Advanced Research Projects Agency (Darpa) para estimular as pesquisas em veículos terrestres não tripulados. Esse primeiro desafio contou com 107 participantes e não teve nenhum vencedor. No ano seguinte, 2005, foi realizada a segunda Darpa Grand Challenge, sendo vencedor o veículo Stanley, a Universidade de Stanford/EUA.

Atualmente este é um assunto que desperta interesse de gigantes como GM, Tesla, Uber, Toyota, BMW, Volvo, Nissan, Ford, entre outras empresas, que trabalham arduamente em seus centros de pesquisa e desenvolvimento para colocar suas versões de transporte super tecnológicos e autôno...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!