Palavra de Produtor

COMMODITIES AGRÍCOLAS E O MERCADO FINANCEIRO

Palavra

Rui Alberto Wolfart

Há poucos meses tem sido veiculadas notícias sobre a questão dos estoques de alimentos no mundo. Com quebras de produção em importantes países produtores, as reservas mundiais teriam diminuído de maneira preocupante. A Covid-19 foi responsável pelas compras mais volumosas de produtos por países que mantêm estoques estratégicos, comprometendo a oferta disponível nos mercados ou até, como o Brasil, indo atrás de arroz no exterior para suprir sua demanda interna, como consequência da quebra de produção e da ausência do produto na rede de armazéns da Conab.

Essas colocações acima seriam as únicas justificativas para o quadro reinante? Acredito, que não! Desde Bretton Woods as relações sistêmicas e as regulações criadas, foram sendo solapadas por novas situações e desastres na economia global, principalmente quanto aos capitais especulativos, jogo de moedas e divisão global de funções. Também,importante fator foi o maior deslocamento na história da humanidade, das populações do campo para as cidades, alterando sensivelmente os padrões e níveis de consumo alimentares, gerando uma demanda muito rápida, e ainda assim os governos manipularam os preços agrícolas achatando-os e favorecendo as populações urbanas, em detrimento da renda dos agricultores.

A conversão dos alimentos em produtos transacionáveis nas bolsas trouxe um fator novo e muito relevante de instabilidade crescente em seus preços, como consequência da financeirização da economia e dos elevados valores disponíveis para especulação. Lembrar a atual oferta de recursos financeiros é de tal monta que somada a outros fatores os Bancos Centrais mais relevantes têm mantido suas taxas básicas de juros negativas ou próx...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!