Notícias da Argentina

SETOR QUESTIONA IMPOSTO

Em novembro, o Congresso Nacional discutiu o projeto de lei da Contribuição Extraordinária de Solidariedade das Grandes Fortunas, popularmente conhecida como “imposto da riqueza”, em meio a críticas do meio empresarial e rural e após pelo menos três grandes empresários - Marcos Galperin (Mercado Libre), Gustavo Grobocopatel (Los Grobo) e Federico Tomasevich (Puente) - decidirem se mudar para o Uruguai e, com isso, deixar de pagar impostos na Argentina. A norma tributa ativos de mais de 200 milhões de pesos no país ou no exterior com 2%. A taxa sobe para 2,25% para fortunas entre 300 e 400 milhões; a 2,5% para entre 400 e 600 milhões e a 2,75% para a faixa entre 600 e 800 milhões de pesos. O índice chega a 3,5% para quem tem mais de 3 bilhões declarados. A Comissão de Enlace das Entidades Agropecuárias manifestou a sua insatisfação com os termos do projeto de lei. Consideram mais um imposto que se soma à longa lista de taxas e encargos - inclusive os direitos de exportação - que o setor precisa pagar, aumentando ainda a pressão tributária que apontam como insuportável para o produtor.

ALTA NAS EXPORTAÇÕES DE CARNE CAPRINA

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Pesca informou que entre janeiro e outubro foram exportadas 424 toneladas de carne caprina, um aumento de 99% em relação ao mesmo período do ano passado. Segundo os dados do Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar (Senasa), a carne é proveniente de indústrias localizadas em Santiago del Estero, Chaco, La Pampa, Mendoza e Córdoba. Os principais mercados de destino são Sri Lanka, Vietnã, Bahamas e Angola. A Argentina tem 18 frigoríficos autorizados pelo Senasa para o abate e exportação de carne caprina.

SITUAÇÃO DIFÍCIL PARA OS PRODUTORES DE LEITE

O aumento dos insumos dolarizados, a situação macroeconômica e a fraca demanda interna tornaram-se uma complicação para os pro...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!