Reportagem de Capa

ENERGIA QUE VEM DO SOL

A mesma fonte que é matéria-prima essencial para a produção agrícola vem modificando a paisagem em propriedades rurais no Brasil. Entre 2017 e 2020, a energia solar no campo apresentou crescimento de mais de 3.700% em potência instalada. São quase 20 mil unidades em funcionamento nas diferentes regiões. O avanço observado nos últimos anos é justificado por uma série de razões, mas, sobretudo, pelos resultados positivos obtidos por produtores que decidiram investir nos sistemas fotovoltaicos

Denise Saueressig [email protected]

O primeiro impacto é o visual. Ao lado de lavouras, rebanhos, máquinas e silos, os painéis de energia solar fotovoltaica impressionam pela imponência e estão cada vez mais presentes nos cenários do campo brasileiro. Se forem considerados dados até 1º de setembro, eram 19.514 sistemas instalados na área rural, responsáveis por uma potência instalada de 422,9 MW, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). Essas quase 20 mil estruturas geram créditos para 28.504 pontos consumidores, o que significa que alguns desses sistemas são compensados em mais de uma unidade. À primeira vista, o número pode parecer pequeno quando comparado ao total de propriedades do País, que somam mais de 5 milhões de estabelecimentos, de acordo com o IBGE. No entanto, cabe lembrar que o setor recebeu regulamentação própria apenas em 2012. Entre 2017 e 2020, a energia solar no campo apresentou um incremento de mais de 3.700%, salienta a vice-presidente do Conselho da Absolar para Geração Distribuída, Bárbara Rubim. “O produtor busca uma maior previsibilidade para os seus custos”, justifica a executiva. E é justamente esse o fator de maior impacto da tecnologia. Bárbara ainda considera que o consumidor rural é o que tem acesso às melhores linhas de financiamento para gerar a p...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!