Sustentabilidade

Soja: rotação & SISTEMA DA PRODUÇÃO

Quais foram as conclusões sobre modelos de produção de maneira eficaz, sustentável, econômica e ambientalmente correta obtidas em pesquisas em solos e sistemas realizadas pela Fundação MT, no mesmo ambiente, ao longo de 12 anos?

Fábio Ono, pesquisador da Fundação MT, [email protected]

Os diversos benefícios da rotação de culturas na melhoria da qualidade do solo (física, química e biológica) e o consequente aumento da produtividade das plantas e de qualidades dos grãos estão descritos em inúmeras publicações (boletins, livros, artigos em revistas etc.), sendo grande parte de fácil acesso. Muitos agricultores e consultores da área agronômica sabem da importância da rotação de culturas para o aumento da produtividade das plantas e da estabilidade de produção. Porém, na maioria das vezes, no sistema de produção atual, o foco é ter cultivos de plantas com alta rentabilidade econômica (exemplo: soja, milho, algodão, feijão), ou seja, cultivar, colher e ter bons lucros nas vendas por ser um modelo de negócio que almeja o máximo de rentabilidade.

Dependendo do sistema de produção, principalmente das plantas que serão cultivadas no sistema ao longo dos anos, pode ocorrer aumento ou diminuição da produtividade da soja. Há pelo menos 20 anos, tal fato já era constatado na prática pela Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso (Fundação MT), por meio de observações em lavouras de soja do Mato Grosso. Naquela época, era possível observar talhões lado a lado e com características químicas e físicas muito semelhantes, semeados com a mesma cultivar de soja e data de plantio, apresentarem produtividades significativamente diferentes. O que era constatado de diferente entre os dois talhões? Muitas vezes, apenas a cultura de cobertura da última safra. E como isso é possível?

A necessidade de entender as consequências dos ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!