Plantio Direto

FERTILIDADE E PRODUTIVIDADE de milho com dejetos de suínos em solo sob SPD

Entre as muitas melhorias provocadas pelo CTF estão a compactação de solo limitada às trilhas – o que permite que as raízes se desenvolvam sem limitação – e a infiltração facilitada da água

Engenheiros-agrônomos Arcângelo Loss, doutor em Ciência do Solo e professor da UFSC; Cremildo António Luís Francisco, mestre em Agroecossistemas/UFSC e docente do ISPM/Moçambique; Gustavo Brunetto, doutor em Ciência do Solo e professor da UFSM; e Rogério Gonzatto, doutor em Ciência do Solo e consultor agronômico da OCP Fertilizantes

Os estados da Região Sul são os maiores produtores de suínos do Brasil. A concentração da atividade suinícola na região gera grandes volumes de dejetos, os quais são manejados principalmente na forma líquida, os chamados dejetos líquidos de suínos (DLS). Esses dejetos são usados na agropecuária como fonte de nutrientes para as plantas (cereais e pastagens, principalmente), reduzindo a dependência por fertilizantes minerais. Os DLS são fontes de matéria orgânica e contêm macro e micronutrientes.

Contudo, se aplicados em quantidades excessivas, podem representar risco de poluição e/ou contaminação do solo, e, por consequência, de corpos d’água. Grande parte dos estudos com DLS avaliando atributos químicos do solo foram realizados em áreas onde os dejetos foram aplicados na superfície do solo. Percebe-se, de fato, que não existem muitas informações sobre a dinâmica dos atributos químicos do solo e da produtividade das culturas após a aplicação de DLS subsuperficial no solo, ou seja, faz-se a injeção dos DLS em um sulco no solo.

Nesse sentido, com auxílio financeiro da Fundação Agrisus (PA 2494-18), foi realizado um estudo para avaliar o efeito das formas de aplicação de DLS (superficial e injetada) no SPD sobre os atributos químicos do solo e a produtividade da cultura do milho. Na ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!