Primeira Mão

Embrapa, 47 anos

A Embrapa completou, no dia 26 de abril, 47 anos. A empresa, uma referência mundial em agricultura tropical, atualmente, trabalha em 850 projetos de pesquisa divididos nas suas 43 unidades. E a empresa pública vem trabalhando em proximidade com a iniciativa privada: em 2019, foram 157 novas parcerias, que se somam a 118 já existentes. No ano passado, o número de projetos com a participação direta da iniciativa privada passou de 5,9% para 12,1%. E a projeção é chegar aos 40% até 2022. “As parcerias ajudam o Brasil a avançar no protagonismo da produção de alimentos, de fibras e de fontes de energia”, destaca o presidente da instituição, Celso Moretti (foto). “A ampliação de projetos em parceria com o setor produtivo, sem dúvida, representa uma das prioridades, principalmente em função do impacto e dos benefícios, não só para a pesquisa agropecuária, como para os diversos segmentos do agro no âmbito do mercado nacional de tecnologia e inovação.”

90%

É o que representa a dobradinha milho + soja na safra de grãos 2019/2020. Mais precisamente, 88,97%. A produção da oleaginosa será de 122,1 milhões de toneladas, a maior até hoje no País – apesar da estiagem severa no Rio Grande do Sul. E representa 48,5% do volume total. Já o milho terá uma produção de 101,9 milhões de toneladas, ou 40,47% da colheita.

Mais embarques

As exportações do agronegócio brasileiro em março não foram afetadas pela pandemia global. Pelo contrário: o aumento das vendas externas foi de 13,3%, ou US$ 9,29 bilhões, sobre o mesmo mês de 2019, então com US$ 8,20 bilhões. O volume exportado aumentou 18,8% no comparativo. O incremento se deu pelos embarques de soja em grão (US$ 3,98 bilhões), açúcar (US$ 441 milhões) e carne bovina in natura (US$ 555 milhões).

Agricultura digital

A Embrapa, em parceria com o Sebrae e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), está realizando um levantamento on-line sobre tendências, desafios e oportunidades da agricultura digital. A proposta da pesquisa é descobrir de que maneira tecnologias como os aplicativos de celular, programas de computador, sensores, imagens de satélites e drones são utilizados para planejamento das lavouras, manejo, colheita, comercialização e diferentes transportes. Os resultados vão nortear pesquisas e inovações, além de elaborar estratégias.

Mais crédito

Em oito meses, até março, os financiamentos contratados pelos produtores atingiram R$ 140,8 bilhões, 11% a mais que em comparação a igual período da safra passada. O investimento levou R$ 38,6 bilhões (+20%) e o custeio, R$ 77,2 bilhões (+9%). Já os financiamentos para comercialização caíram 16%, para R$ 15,8 bilhões.

Biológicos inéditos

O Ministério da Agricultura fez o registro, em abril, de dois defensivos biológicos inéditos: um à base de extrato de alho, para o controle de nematoide; e outro de Amblysuius tamatavensis, um ácaro que controla a mosca-branca de culturas como batata, tomate e feijão. Também foram registrados mais 44 defensivos genéricos, dos quais 17 com agentes de controle biológico na formulação.

CTNBio: novo presidente

O pesquisador da Embrapa Paulo Augusto Vianna Barroso é o novo presidente da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), com mandato para os próximos dois anos. No período, a ideia é manter o foco na biossegurança e aumentar a eficiência nas análises nos processos em tramitação. A CTNBio também buscará ampliar a participação de instituições públicas, empresas e startups no processo de produção de inovação com uso de transgênicos.

MP do Agro sancionada

A Lei nº 13.986/2020, chamada de MP do Agro, foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em abril. A legislação aprimora o crédito rural ao ampliar o acesso ao financiamento ao expandir os recursos e reduzir as taxas de juros. Conforme a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, a lei representa uma nova fase do crédito rural brasileiro, ao possibilitar oportunidade de modernização e de facilitação ao sistema de financiamento agrícola.