Notícias da Argentina

Parceria com o Brasil

Representantes do Brasil e da Argentina firmaram no mês passado um entendimento para a diversificação da pauta agropecuária entre os dois países. Na reunião bilateral, realizada em Brasília, o Ministério da Agricultura do Brasil e o Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa) reiteraram a disposição de trabalhar conjuntamente de forma estreita e coordenada, tanto no âmbito bilateral, quanto nos foros regionais e multilaterais. Entre os temas acordados está a aprovação pela Argentina do modelo de Certificado Sanitário Internacional (SCI) para exportação de carne de rã do Brasil para o país vizinho. Também foi aprovado o modelo de Certificado Zoossanitário Internacional (CZI) para a exportação de sêmen suíno do Brasil para a Argentina. Por outro lado, o Brasil aprovou o modelo de CZI proposto pelos argentinos para a importação de bovinos reprodutores da Argentina. Os dois países acordaram que será enviada uma missão do Brasil para a Argentina até o dia 10 de julho para realizar auditorias de manutenção para carne bovina, lácteos e pescado.


Risco de La NiÑa

A Bolsa de Cereais de Buenos Aires informou que “após um desenvolvimento irregular, a campanha agrícola 2019/20 continua em condições próximas ao normal, mas a campanha 2020/21 pode ser afetada por um episódio de La Niña”. Em seu relatório de perspectivas agroclimáticas sazonais, o climatologista Eduardo Sierra explicou que, “o resfriamento lento, mas progressivo, observado na superfície dos oceanos ao redor do Cone Sul nas últimas semanas, cria o risco de que a campanha 2020/2021 seja afetada por um episódio de La Niña, que pode deprimir as chuvas em grande parte da área agrícola, desde o início da primavera”.


Colheita do Girassol

A colheita de girassol ultrapassou os 30% da área na terceira semana de fevereiro no centro e no norte da área agrícola. O rendimento médio é de 2.110 quilos por hectare. A produção é projetada em 3,2 milhões de toneladas na atual safra, volume abaixo das 3,9 milhões de toneladas do último ciclo.


Soja

A Bolsa de Cereais de Buenos Aires estima a área plantada com soja em 17,4 milhões de hectares na atual safra. As boas condições da lavoura têm potencial para uma produção de 53,1 milhões de toneladas. Em fevereiro, os produtores intensificaram os cuidados com o ataque de pragas, principalmente lagartas e percevejos. Especialistas alertam que o monitoramento constante é essencial para limitar a disseminação desses invasores.


Milho

Em 2019/20, o milho sul-americano representará a maior fatia do mercado internacional, com 42% das vendas externas. Os Estados Unidos, tradicionalmente líderes, respondem por 26% do comércio do atual ciclo. Segundo a Bolsa de Comércio de Rosário, a Argentina deverá colher em torno de 50 milhões de toneladas, posicionando a safra 2019/20 como a segunda melhor colheita da história.


Carne

Segundo o Consórcio de Exportadores de Carne da Argentina (ABC), o volume exportado para a China em janeiro reduziu 19,1% em relação a dezembro do ano passado, de 89 mil toneladas, para 72 mil toneladas. Houve desaceleração devido ao cancelamento de embarques e à renegociação de contratos promovidos por importadores chineses. A China se tornou o principal destino dos embarques argentinos. De quatro dólares provenientes das exportações de carne bovina, três correspondem a vendas realizadas para esse mercado.


Leite

O Observatório da Cadeia de Laticínios da Argentina divulgou resultados preliminares da pesquisa do setor leiteiro 2018/19, realizada pelo Instituto Nacional de Tecnologia Agrícola (Inta) e pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Pesca. O estudo teve uma amostra de 194 estabelecimentos da região pampeana. Os resultados mostram, por exemplo, que a maioria destes (62%) ocupa entre 100 e 300 hectares, e metade tem entre 100 e 250 vacas em ordenha.