Seed point

Processamento de sementes em um modelo de torre horizontal

As sementes são organismos vivos e, assim, exigem cuidados especiais durante o processamento para que ofereçam, na lavoura, seus altos padrões de qualidade fisiológica e, portanto, potencial produtivo

Brescia Terra, diretora de Marketing América do Sul da KWS; e Gustavo Munk, diretor de Produção América do Sul da KWS

Devido às características da maioria das plantadeiras agrícolas em uso no Brasil, as sementes devem ser classificadas por tamanho e formato pelas empresas produtoras, para assegurar a uniformidade de plantio. O processo de classificação de sementes de milho possui diferentes etapas, desde quando a semente chega do campo, ainda fixada na espiga de milho, até a embalagem final, com destino ao produtor. Todo esse processo é realizado dentro da unidade de processamento por máquinas distintas, por várias etapas, sendo necessário transportar as sementes de um processo para outro, quando há um item muito importante a considerar: o cuidado das sementes durante o processo, transportando-o de uma máquina para outra.

Como as sementes são organismos vivos, necessitam de cuidados especiais durante o processamento para que tenham altos parâmetros de qualidade fisiológica no momento do plantio. O potencial produtivo de uma planta está determinado, primeiro, por suas características genéticas; contudo, durante o processamento, é extremamente importante que a qualidade da semente seja preservada, para permitir que esse potencial genético se expresse após o plantio.

Já no campo de produção das sementes, cuidados são tomados para assegurar o melhor ambiente de desenvolvimento para a planta e, posteriormente, espiga que será processada. A produção de campo requer cuidados especiais, que vão desde o ambiente escolhido, irrigação, nutrientes, o pacote fitossanitário, a densidade da população, a colheita das espigas ao ponto de maturidade fisiológica, o transporte e cuidados até a chegada da espiga à unidade de processamento. Tudo para alcançar o máximo potencial de qualidade.

Mais de 99% de pureza física

Após chegar do campo, a espiga passa pelo processo de despalha e de secagem. A secagem, garante o armazenamento da semente durante o processamento, até que esta esteja pronta para comercialização. O processo de classificação das sementes consiste em separar em até 24 tamanhos diferentes a partir da semente não processada, e que cada uma tenha mais de 99% de pureza física e alta pureza fisiológica.

Hoje, no Brasil, todas as empresas produtoras de semente possuem o modelo de torre de classificação vertical. Nesse processo, a semente começa no andar mais alto da torre e, por gravidade, vai descendo, até chegar ao nível do piso, passando por todas as máquinas necessárias durante esse processo. Dutos utilizam a força da gravidade para transportar as sementes de um nível para o outro, para passar por todas as máquinas. Em uma torre horizontal, o transporte das sementes de uma máquina para outra acontece de forma que não necessita de altura para deslocar as sementes com a força da gravidade.

As sementes são recebidas suavemente em recipientes e transportadas horizontalmente até a próxima etapa, para que não exista nenhum dano causado por impacto.

Máquinas específicas

O impacto que as sementes sofrem é chamado de dano mecânico, que é cumulativo sobre as sementes e causa perda de qualidade, consequentemente, diminuindo a germinação e o vigor. Esses são parâmetros extremamente importantes para os agricultores, pois deles depende o estabelecimento da lavoura no campo. Basicamente, esse é o conceito da classificação horizontal, simples e muito importante, que diferencia o processamento do padrão utilizado no mercado. Assim, é diminuído o estresse que as sementes sofrem durante seu processamento. O layout é diferenciado na torre de classificação, utilizando máquinas específicas para essa finalidade, com o objetivo de cuidar das sementes com as melhores máquinas, ferramentas e tecnologias disponíveis para obter produtos de alta qualidade.

TMG é parceira da AgriHub Space

O AgriHub Space, espaço que funcionará como uma incubadora de startups e ponto de conexão entre empresas, produtores, pesquisadores, investidores e o ecossistema agrícola e de inovação, uma iniciativa da LM Ventures e Sistema Famato, terá a Tropical Melhoramento e Genética (TMG) como uma das empresas parceiras – ao lado de Amaggi, Agro Amazônia/Sumitomo Corporation, Bayer e Rede de Fazendas Alfa. Na inauguração, no mês passado, em Cuiabá, o presidente da TMG, Francisco Soares Neto, expôs as principais áreas de inovação da empresa. “A TMG pode atuar tanto como uma empresa que busca em startups soluções para a melhoria de processos internos, novas oportunidades de produtos, negócios e inovações disruptivas, mas também como uma empresa que pode oferecer inovação para o mercado.”

Brandt leva tecnologias nutricionais a feira catarinense

A Brandt do Brasil participou da 2ª Feira de Exposição da Indústria e do Comércio Local e Regional, promovida pela prefeitura de Passos Maia/ SC, em dezembro. “Estar nesse evento regional é importante para apresentar nossas tecnologias que auxiliam no aumento da produtividade das culturas de soja, milho, feijão e trigo”, afirma o representante técnico de vendas da Brandt na região, Andreley Robson Habech. De acordo com Habech, as soluções nutricionais da Brandt já são bastante utilizadas em Passos Maia e nos munícipios vizinhos. “Queremos estreitar nosso relacionamento com esses produtores e mostrar para os demais o potencial de tecnologias modernas e comprovadamente produtivas que oferecemos.”


KWS: ORGULHO DE TER FOCO EXCLUSIVO EM SEMENTES

Quais são os novos produtos e tecnologias que a KWS planeja lançar na agricultura brasileira em 2020 e quais as suas características?

Para semente de milho, vamos lançar quatro novos produtos – K9300PRO3, K9410VIP3, K7330VIP3, K9500PRO2 – com característica para a safra de grãos e silagem, e com adaptabilidade, principalmente, no Sul do Brasil. As principais características desses novos produtos são ciclo superprecoce, alto teto produtivo e estabilidade. Para safrinha, lançaremos o K8774PRO3, um produto de altíssimo teto produtivo e adaptação para quase todo o Brasil. Em soja, vamos lançar para o Cerrados a variedade K8620IPRO, que tem como principal característica a estabilidade em terras novas de abertura. A KWS orgulha-se de ser uma empresa com foco exclusivo em sementes e, atualmente, uma das que mais investe em pesquisa e desenvolvimento. Nossa missão é desenvolver e posicionar os melhores produtos para aumentar a rentabilidade do produtor. Recentemente, inauguramos nossa nova unidade de produção de sementes, com o dobro da capacidade e a mais moderna do Brasil para melhor atender à crescente demanda do mercado. Estamos investindo constantemente para oferecer não somente os melhores produtos e serviços, mas também sementes da mais alta qualidade aos nossos clientes e parceiros.

Nesse sentido, quais são os diferenciais, as vantagens dos produtos e as tecnologias da empresa para os produtores brasileiros?

Já temos um portfólio robusto de milho, soja e sorgo, e estamos lançando novos produtos com diversas biotecnologias para todo o Brasil e todo o tipo de situação. Queremos ser uma opção diferente ao agricultor, proporcionando um real poder de escolha. Tudo isso sempre embasado em uma recomendação técnica que faça sentido para ele e seu investimento. Creio que o nosso diferencial seja esse, de ter em nosso portfólio uma genética competitiva, mas também todas as opções de biotecnologia do mercado, além de uma equipe muito bem preparada para fazer a melhor recomendação técnica e gerar valor ao produtor.

Qual a importância da agricultura brasileira nos negócios globais da KWS?

Hoje, o Brasil não é mais um coadjuvante na agricultura, e sim um protagonista, como um dos três maiores players do mercado global. Nossa responsabilidade é muito grande de gerar alimentos para atender à crescente demanda global, e esse é um dos compromissos da KWS como empresa. A KWS, apesar de ser uma empresa de 160 anos e de estar em mais de 70 países, no Brasil, é uma marca nova, por isso enxergamos o mercado brasileiro como a grande oportunidade de crescimento para a KWS global nos próximos dez anos.