Notícias da Argentina

ALTA NOS IMPOSTOS DE EXPORTAÇÃO

O novo Governo argentino, comandado por Alberto Fernández, modificou o sistema de alíquotas para os produtos agrícolas. Por meio do Decreto nº 37/2019, foi eliminado o limite de 4 pesos para cada dólar exportado e ampliados os impostos para 9% para carnes e laticínios, 15% para trigo e milho, e 33% para soja. Produtos como farinha de trigo, arroz, amendoim e leite em pó serão tributados em 9%. O anúncio provocou indignação entre os produtores, e o Governo justificou a medida como urgente para enfrentar “a grave situação das finanças públicas”.

NOVA TECNOLOGIA PARA A SOJA

Pesquisadores do Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária (Inta), de Pergamino, da Faculdade de Agronomia da Universidade de Buenos Aires e do Conselho Nacional de Investigações Científicas e Técnicas (Conicet) apresentaram um modelo simples e dinâmico que antecipa as etapas de desenvolvimento e crescimento da soja. É o Cronosoja, um software que ajuda na definição da melhor data de plantio e da combinação mais adequada de variedades para um local específico de cultivo. Segundo o especialista em ecofisiologia de cultivos do Inta Pergamino, Alan Severini, a ferramenta pode auxiliar os produtores na informação sobre a ocorrência de períodos críticos nas regiões de cultivo.

MERCADO CHINÊS

O Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar (Senasa) firmou acordo com a China para a exportação de limão ao gigante asiático. O ministro da Agricultura, Luis Basterra, comemorou o novo mercado e disse que o fato incentiva o país a seguir o caminho da agregação de valor às exportações.

Trigo

A Bolsa de Comércio de Rosário informou que a nova estimativa para o trigo na safra 2019/2020 é de 19,5 milhões de toneladas, um volume recorde. O impressionante é que essa projeção se mantém apesar da falta de água que caracterizou o ciclo. A expectativa positiva é creditada à alta tecnologia empregada nas lavouras, a temperaturas frescas no período de enchimento de grãos e a quase 100 mil hectares adicionais que foram detectados por imagens de satélite em comparação com o que foi originalmente estimado.

Milho

Lucas Norris, das Confederações Rurais Argentinas (CRA), subsidiária de Salta, explicou à Chacra TV as dificuldades que o milho enfrentará com o aumento dos impostos de exportação. Segundo ele, a distância dos portos e o valor do frete agravam a situação dos produtores da província, que têm rendimentos mais baixos do que os do Sul do país e margens menores. Ele considera que a produção do cereal poderá se tornar inviável e comprometer a necessária rotação de culturas.

Carne

O Governo de Alberto Fernández se inicia com exportações recordes de carne bovina, mas também com forte retração do consumo. Segundo o Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec), o consumo de carnes em 2019 é projetado em torno de 110 quilos, uma redução de mais de cinco quilos em comparação com a média dos últimos dois anos. Há dez anos, a carne bovina representava 62% do consumo total, enquanto, atualmente, representa apenas 47%.

Leite

O diretor-executivo do Observatório da Cadeia de Laticínios da Argentina (OCLA), Jorge Giraudo, informa que o país produziu, em 2019, 10,3 bilhões de litros de leite, o mesmo volume de 1999. Na sua opinião, o fato pode ser interpretado de duas maneiras: ou com uma visão de estagnação, ou com a análise dos níveis de sobrevivência das empresas no negócio. Giraudo observa que os estabelecimentos que prosseguiram cresceram a uma taxa anual de 2,4%, mesmo com o processo inflacionário, as altas taxas de juros e outras desvantagens competitivas.