Espaço do Leitor

Viticultura no Paraná

Ouvi falar de um programa que pretende estimular a produção de uvas no estado do Paraná. Qual é a realidade da cadeia nesse momento e quais são as perspectivas para os próximos anos? Agradeço as informações.

Miguel Vasques Ponta Grossa/PR

R – Prezado Miguel, o programa Revitis, do Governo estadual, está apoiado em quatro eixos: incentivo à produção, reorganização da comercialização, desenvolvimento do turismo e apoio à agroindústria. Hoje, no Paraná, falta uva para atender ao aumento da demanda para a indústria instalada. Os produtores importam mais de 90% das uvas de mesa que utilizam para fazer sucos e vinhos coloniais, e 84% das uvas para vinhos finos. A Associação de Vitivinicultores do Paraná (Vinopar) estima que a manipulação industrial tem potencial de crescimento de 57% para a fabricação de sucos e vinhos coloniais e de 342% para vinhos finos em cinco anos. O planejamento abrange ampliar a área plantada para mais de 6 mil hectares. Atualmente, são 3.666 hectares. Segundo o Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura, o cultivo de uva para fins comerciais está presente em 138 municípios, com produção de 65 mil toneladas da fruta, entre uva de mesa e uva rústica. Marialva, no Noroeste do Paraná, é o município que mais produz, com mais de 40% do total.


OPÇÕES EM ILP

Na Região Norte do País, quais são as principais opções de consórcio de culturas para o sistema de integração lavoura-pecuária com situação prévia de agricultura? Obrigado.

José Luiz Lopes Neto Palmas/TO

R – Caro José Luiz, segundo os pesquisadores da Embrapa, em sub-regiões onde as atividades agrícolas estão estabelecidas ou em expansão, o sistema de ILP tem sido praticado pelo consórcio de algumas culturas, como milho (grão e/ou silagem) + capim (braquiárias e panicuns); soja + capim (sobressemeadur...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!