Mecanização

Lubrificantes: a durabilidade depende deles

São líquidos, pastosos (as graxas) ou sólidos, e são fundamentais para motor, transmissão, sistema hidráulico e nos demais componentes móveis das máquinas, tais como engrenagens e articulações

Marcelo Silveira de Farias e Leonardo Casali, da Universidade Federal de Santa Maria/RS

Os lubrificantes, que podem ser líquidos, pastosos (graxas) ou sólidos, são indispensáveis para o bom funcionamento de qualquer máquina agrícola. Estão presentes no motor, na transmissão, no sistema hidráulico e nos demais componentes móveis das máquinas, tais como engrenagens, articulações, correntes, pistões, eixos, árvores, bombas, rola mentos, mancais de atrito e mancais de rolamento. Os lubrificantes são dispostos entre os componentes em contato a fim de reduzir a fricção e o calor, proporcionando funcionamento suave e mantendo a temperatura normal de trabalho. Assim, podem atingir a durabilidade máxima para a qual foram projetados, evitando perdas de rendimento e interrupção do funciona mento. Além disso, em determinados casos, possuem a função de limpar e vedar alguns mecanismos.

Uma graxa é composta de um óleo base (80%/90%), de um espessante (10%/15%) e de aditivos (5%/10%). O óleo base pode ser sintético ou mineral, com diferentes graus de viscosidade. O espessante confere aumento da viscosidade, sendo os mais comuns de lítio ou de cálcio. Já os aditivos são adicionados para melhorar algumas qualidades, como estabilizante ao cisalhamento, resistência à água e consistência ou aderência. O espessante de lítio é o mais utilizado. Caracteriza-se por ter boa estabilidade e boa resistência à água e altas temperaturas. As chamadas graxas complexas de lítio contêm aditivo de antimônio-zinco, que confere maior resistência à alta pressão ou corrosão. As graxas de sulfonato de cálcio têm excelentes propriedades antidesgaste e é inibidor natural da ferrugem ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!