Agribusiness

CAFÉ NY segue buscando acomodação entre 90 centavos e US$ 1 a libra-peso

Lessandro Carvalho - [email protected]

O mercado internacional de café seguiu muito volátil em outubro, ainda refletindo as indicações climáticas para as floradas no Brasil, que vão resultar na safra de 2020. O começo do mês foi de apreensão, com a falta de chuvas e as elevadas temperaturas, e os preços subiram na Bolsa de Nova York para o arábica, que baliza a comercialização internacional. Depois, as precipitações foram se regularizando, o mercado acalmou, e as cotações desceram. Mas, no geral, NY se manteve buscando acomodação entre 90 centavos de dólar por libra-peso e US$ 1 a libra-peso. Os fundamentos seguem baixistas. A ampla oferta global segue pesando sobre as cotações nas bolsas de futuros de Nova York e de Londres. O Brasil vem mantendo forte fluxo nas exportações, e, com a volta das chuvas, há maior tranquilidade quanto à safra de 2020. E agora, ao final do ano, entram safras de outras importantes origens, como Vietnã, Colômbia e países da América Central. Ou seja, há comodidade quanto ao abastecimento global. Porém, o mercado encontra sustentação em muitos momentos em aspectos financeiros, como a valorização do petróleo e a queda do dólar contra o real, o que promoveu momentos de reação nos preços. Até 20 de outubro, a cotação mais alta na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) para o arábica foi observada em 3 de outubro, quando NY trabalhou na máxima do dia em 102,90 centavos de dólar por libra-peso.

SOJA Plantio brasileiro deve crescer 1,5%

Dylan Della Pasqua - [email protected]

Os produtores brasileiros de soja deverão cultivar 36,942 milhões de hectares em 2019/20, a maior área da história, crescendo 1,5% sobre o total semeado no ano passado, de 36,384 milhões. A projeção faz parte do mais recente levantamento de Safras & Mercado. Com uma possív...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!