Primeira Mão

Não aos desmatamentos Ilegais

A Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), suas 16 associadas estaduais, divulgou uma nota em que condena a prática das queimadas criminosas que atingem regiões de vegetação e de produção agrícola na Amazônia brasileira. Conforme a entidade, “os produtores rurais são as principais vítimas destes crimes na medida em que têm suas propriedades, lavouras e áreas de preservação, que estão sob sua responsabilidade, ameaçadas pelas chamas”. “A entidade é contrária ao desmatamento ilegal e a toda forma de supressão de vegetação nativa que não esteja legalmente autorizada pela Lei 12.651/2012, que instituiu o Código Florestal”, reitera.


Inoculante para o fósforo

A parceria público-privada entre a Embrapa e a empresa Bioma disponibiliza ao mercado brasileiro, pela primeira vez, um inoculante desenvolvido a partir de tecnologia nacional que possibilita o aumento da absorção de fósforo pelas plantas. O BiomaPhos é sustentável por ser biológico, gerado a partir de duas bactérias identificadas pela Embrapa (uma no solo e a outra no milho). Resultados de experimentos no milho conduzidos em diferentes regiões relatam aumentos médios de produção de cerca de 10%, o que significa até dez sacas a mais por hectare. “Esses experimentos avaliaram a inoculação combinada com a adubação reduzida de superfosfato triplo, o que pode diminuir o gasto para o produtor com fertilizantes sintéticos”, destaca a pesquisadora Christiane Paiva.


Gestão do negócio

Primeira

Os pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, Geraldo Barros, Lucilio Alves, Mauro Osaki e Andreia Adami lançaram o livro “Gestão de Negócios Agropecuários com Foco no Patrimônio”. A proposta da obra é a melhoria da gestão do negócio agropecuário, apresentando – de forma didática e com aplicações a casos reais – métodos de avaliação e análise de rentabilidade e riscos. Os métodos abordados na obra para exame de riscos de rentabilidade e de liquidez são inovadores e aplicáveis nos âmbitos privados e públicos


Transgênicos

Primeira

A agricultura brasileira cultivou 51,3 milhões de hectares de transgênicas em 2018, 2% a mais em relação ao ano anterior, e que representa 27% de toda a área da tecnologia na agricultura do planeta. As quatro principais culturas geneticamente modificadas – soja, milho, algodão e cana – representam 97% da área dedicada aos quatro cultivos no Brasil. No caso da soja, os 34,86 milhões de hectares fazem do País o maior produtor de oleaginosa transgênica. Já o milho transgênico foi plantado em 15 milhões de hectares, o algodão em 1 milhão e a cana em 400 mil hectares. Os números são do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB) e estão em cib.rds.land/isaaa-2019.


Planeta cooperativo

As 3 milhões de cooperativas espalhadas pelo mundo têm como associados 12% das pessoas que habitam o planeta. E 10% da população economicamente ativa tem algum vínculo de trabalho a uma cooperativa. As 300 maiores cooperativas ou grupos cooperativos geram US$ 2,1 trilhões de faturamento, em serviços e infraestrutura. As informações são da Aliança Cooperativa Internacional.


Agro reivindica

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, entregou ao ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, as principais demandas do setor agro para melhorar o escoamento da produção agropecuária. Estão incluídas questões referentes a rodovias, ferrovias, hidrovias, portos e cabotagem. “As prioridades do setor são as prioridades do ministério e, tenho certeza, vamos disponibilizar a infraestrutura que o agro tanto necessita”, garantiu o ministro


Mapa das Indicações Geográficas

O IBGE disponibilizou a versão 2019 do Mapa das Indicações Geográficas do Brasil, fruto de uma parceria com o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi). O mapa veicula informações sobre os selos das Indicações Geográficas (IGs), localizando as regiões de origem de produtos e serviços certificados por Indicação de Procedência e/ou Denominação de Origem. A versão 2019 tem quatro novos produtos, elevando para 62 as IGs até maio. Dos estreantes, três receberam selos de Indicação de Procedência: derivados de Jabuticaba de Sabará/ MG, cacau de Tomé-Açu/PA e café verde do oeste da Bahia/BA, enquanto a banana de Corupá/SC ganhou o selo de Denominação de Origem. O mapa está em www.ibge.gov.br.


925 milhões

De reais. Esse foi o volume de recursos que os produtores brasileiros receberam em indenizações do seguro rural em 2018, contratado pelo Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR). Do total, a seca foi a causadora de R$ 660 milhões, seguida do granizo, com R$ 201 milhões. O PSR equivale a 45% de todas as operações de seguro rural contratadas no ano passado nas modalidades de subvenção.


46,8 bilhões

De reais. Esse foi o tamanho do faturamento do setor de distribuição de insumos agropecuários em 2018, aumento de 6,3% sobre os R$ 44 bilhões do ano anterior. O segmento de distribuição respondeu no período por 42,5% do faturamento de R$ 110 bilhões em comercialização s de insumos. Os dados são da Associação Nacional dos Distribuidores de Insumos Agrícolas e Veterinários (Andav).


34 quilos

Primeira

O consumo médio anual de arroz pelo brasileiro, segundo apurou pesquisa encomendada pela Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz). O número vem se mantendo estável, com previsão de aumento de 0,2% neste ano. A entidade ressalta que a pesquisa sugere perspectivas positivas para o crescimento da demanda do cereal no mercado doméstico, sobretudo porque é um alimento acessível, barato e oferece saciedade. “A alta disponibilidade de diferentes tipos do cereal e a ausência de glúten igualmente sinalizam uma tendência de fortalecimento do consumo de arroz no mercado brasileiro”, destaca a Abiarroz