Fitossanidade

Lavoura monitorada e sob controle

O monitoramento nas fases pré-plantio e pós-emergência do cultivo aliado ao tratamento de sementes protege as plantas de patógenos e pragas, e garante o estabelecimento inicial do estande

Engenheira-agrônoma Marina Vasconcellos, pesquisadora da Fundação Rio Verde, de Lucas do Rio Verde/MT

Fitossanidade

Da esquerda para a direita, danos de lagartas iniciais na cultura da soja, a lagarta elasmo investindo contra plantas e plantas de soja emergindo sendo atacadas por Spodoptera

O maior aliado do produtor no manejo de pragas iniciais na lavoura é o monitoramento e o acompanhamento das áreas de semeadura com a detecção das mesmas no início da infestação, e consequentemente, sua evolução. Dessa forma, pode-se adotar medidas de controle de acordo com as espécies, quantidade e o tamanho das pragas presentes na lavoura. A emergência uniforme das plantas e o bom desenvolvimento são fatores extremamente importantes para a determinação do potencial produtivo da cultura da soja. Após a germinação e a emergência, as plantas de soja estão expostas ao ataque de pragas e doenças que podem estar presentes no ambiente.

O monitoramento pré-plantio e pós-emergência do cultivo aliado ao adequado tratamento de sementes garante o estabelecimento inicial do mesmo, protegendo as plantas de patógenos e pragas. Existem muitas pragas que atacam as plantas em seu estágio inicial, no entanto, nem todas têm importância econômica ou causam danos severos. Entre as que têm preocupado os produtores estão as vaquinhas (Diabrotica speciosa e outras espécies), a lagarta-elasmo ou broca-do-colo (Elasmopalpus lignosellus), a lagarta-rosca (Agrotis ipsilon), as lesmas e também Spodoptera spp. e Helicoverpa spp. O manejo dessas ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!