Soja II

Adubação: solo e folha reveladores

Soja

Duas ferramentas são fundamentais para definir como deve ser a adubação da lavoura de soja, as análises de solo e foliar – além, é claro, de suas criteriosas interpretações. A acrescentar que a eficiência e a resposta das plantas aos fertilizantes dependem de fatores como clima e, sobretudo, das propriedades físicas, químicas e biológicas do solo

Adilson de Oliveira Junior e Cesar de Castro, pesquisadores da Embrapa Soja

Apesar de todos os avanços tecnológicos na agricultura, desde o levantamento e análise de dados, a utilização de fertilizantes com várias inovações tecnológicas embutidas – como fertilizantes de liberação controlada –, nanotecnologias, drones, entre outras, têm sido comum os erros na recomendação da adubação e o aparecimento de sintomas de deficiência ou toxicidade de nutrientes em diversas culturas. Além de fome oculta e desbalanços nutricionais que afetam negativamente a produtividade. Ainda que as novas tecnologias promovam o aumento da eficiência do uso dos fertilizantes, há carência de um diagnóstico correto pelo uso ineficiente das análises de solo ou pela quase total falta de adoção da análise de tecido vegetal, e também pela negligência em sua realização e interpretação, ou, ainda, pela aplicação incorreta de conceitos modernos de manejo da fertilidade. Isso têm determinado uma maior frequência de desbalanços nutricionais associados à redução do potencial produtivo das culturas e a qualidade da produção agrícola.

Antes de se fazer um diagnóstico do estado nutricional das plantas, torna-se imprescindível observar algumas informações para distinguir os sintomas nutricionais de outras possíveis causas, como incidência de pragas ou doenças, ocorrência de eventos climático...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!