Gente da Semente

KWS realiza o Agroservice em Toledo/PRTMG

Gente

O Agroservice, evento promovido pela multina-cional alemã KWS Se-mentes, no mês passado, em Toledo/PR, recebeu estudantes da PUCPR e produtores, consultores e técnicos para abordar os assuntos milho (grão) e silagem. Segundo o presi-dente da América do Sul da KWS, Marcelo Salles, os visitantes receberam informações sobre silagem por um dos maiores espe-cialistas no assunto do Brasil, Dimas Cardoso. Assim como informações técnicas sobre manejo de solo, plantabilidade e fenologia do milho, temas abordados pela equipe técnica da empresa para maximizar a performance de milho na safrinha. A KWS apresentou as suas maiores inovações em produtos e serviços, como a genética superior dos híbridos de milho para o ambiente de safrinha, com destaque para o K9606 VIP3, um dos materiais mais estáveis do mercado e com tecnologia de controle da lagarta de cartucho.


TMG: CTNBio aprova soja transgênica tolerante à seca

Gente

A Tropical Melho-ramento & Genética (TMG) e a Verdeca, joint venture entre a Arca-dia Biosciences, Inc. e a Bioceres Crop Solu-tions Corp. anunciaram que completaram todo o processo de desregu-lamentação perante a Comissão Técnica Na-cional de Biossegurança (CTNBio) e receberam a aprovação comercial, no Brasil, para a característica transgênica tolerante à seca HB4 em soja, da Verde-ca. Além da característica HB4 sozinha, um outro evento combinando HB4 com tolerância ao herbicida glifosato também foi aprovado. Esse empilhamento do evento HB4 com o já conhecido evento RR1 é o novo produto da Verdeca com melhorias de qualidade, mitigação de estresse e práticas de manejo. “A TMG, como uma empresa brasileira, tem orgulho de fazer parte deste projeto em colaboração com a Verdeca e de ter concluído o marco regulatório no Brasil. É muito importante que as empresas sul-americanas tragam inovação para os agricultores sul-americanos”, co-menta Alexandre Garcia, gestor de Pesquisa da TMG.


“ESTAMOS SEMPRE EM BUSCA DE SOLUÇÕES PARA OS PRODUTORES”

Gente

Claudio Prates Zago, diretor--superintendente da Unidade de Sementes do Grupo Agroceres – Marcas Biomatrix e Santa Helena

HelenaQuais são os principais diferenciais da Biomatrix e da Santa Helena, empresas do Grupo Agroceres, no mercado de sementes que as diferem das demais empresas?

A unidade de negócio sementes do Grupo Agroceres com as marcas Sementes Biomatrix e Santa Helena Sementes é a maior empresa nacional do mercado de sementes de milho e sorgo. Por sermos brasileiros e estarmos ao lado do agricultor desde 1945, oferecemos produtos e serviços alinhados com a nossa proposta de valor: aten-dimento, tecnologia e inovação, qualidade e resultado. Estar ao lado do produtor e termos flexibilidade no atendimento nos traz grande diferencial competitivo em relação aos demais players do mercado.

Quais os mercados atendidos pelas duas marcas?

Atendemos ao mercado de grãos e silagem de alta qualidade (leite e corte). Hoje, com capacidade de atender às diferentes demandas de pequenos, médios e grandes produtores.

Entre os recentes lançamentos em milho da Sementes Bioma-trix e Santa Helena Sementes, o que você gostaria de destacar como suas vantagens competitivas aos produtores?

Cada uma das marcas tem um portfólio completo para atender às demandas dos clientes, seja para produção de grãos ou de silagem. Por exemplo, a Sementes Biomatrix está lançando o BM3069, hí-brido para silagem premium, compondo seu portfólio focado em silagem de alta qualidade. Para grãos, lançamos o BM790, com alta produtividade de grãos e uma genética diferenciada. Na Santa He-lena Sementes, estamos apostando em um lançamento tecnológico para o híbrido SHS5560, que já tinha grande diferencial genético e ampla adaptação. O sorgo SHS605BMR também vem para somar ao portfólio de silagem, focado no produtor que vê no sorgo uma excelente opção de volumoso.

Quais são os planos da empresa para o restante de 2019 e os próximos anos?

A empresa, por meio das suas duas marcas, pretende aumentar sua participação no mercado, consolidando sua posição para o segmento de silagem de alta qualidade, bem como aumentando sua participação nos principais mercados produtores de milho. Estamos de olho nas novas tecnologias disponíveis no mercado e sempre em busca de soluções para os produtores e agricultores.

O que mais o senhor gostaria de ressaltar sobre as duas marcas ou a agricultura brasileira?

Empresas como a nossa, que têm um programa forte e consolidado de pesquisa, têm assistido, nos últimos anos, a um forte crescimen-to na oferta de sementes piratas, com baixa qualidade genética e fisiológica, expondo o produtor e comprometendo seus resultados. Apoiamos, juntamente com as empresas do setor, a campanha de combate a essa prática.