Fitossanidade

Só o MIP viabiliza o ALGODÃO

Fitossanidade

O Manejo Integrado de Pragas é a adoção de diversos métodos de controle de maneira conjugada para se realizar o manejo sustentável nos âmbitos econômico, ambiental e social.Entre as ações, o vazio sanitário é uma medida legal que todos os estados devem seguir

Fábio Aquino de Albuquerque, entomologista da Embrapa Algodão

O Brasil conseguiu atingir o status de segundo maior exportador de algodão do mundo. Uma inversão do observado nos anos 1990, quando o País era importador. Essa vitória aconteceu à custa de muito in-cremento tecnológico e dedicação dos produtores. Contudo, nem tudo são flores. Os custos elevaram-se signifi-cativamente nos últimos anos de for-ma desproporcional à produtividade. Tem-se observado certa estabilidade na produtividade por área, mas os custos ainda continuam pressionando para cima, reduzindo a rentabilidade dos produtores.Por anos, o controle químico domi-nou o cenário no que se refere ao ma-nejo de insetos-praga. Isso se deveu ao fato dos custos com inseticidas terem valores mais em conta e, principal-mente, pela menor pressão de pragas. Antes, pragas que eram praticamente exclusivas ou do algodão, ou da soja, ou do milho acabaram estabelecen-do-se sobre os três cultivos. Um caso clássico é o da Spodoptera frugirper-da, praga conhecida comumente por lagarta do cartucho do milho, mas que, já há alguns anos, ataca indistinta-mente milho, soja e/ou algodão, além de outros cultivos.A transgenia veio para facilitar e ajudar no manejo das lagartas de um modo geral, mas, para lagartas como a Spodoptera, que sofre maior pressão de seleção, observa-se que a resistên-cia tem sido quebrada muito rapida-mente, o que implica em aumento de custos. Associado a isso há a pressão natural do bicu...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!