Expoagro Afubra

Templo da AGRICULTURA reúne 112 mil

Expoagro

19ª feira Expoagro Afubra, em Rio Pardo/RS apresentou novidades, técnicas, tecnologias e muitas orientações a pequenos agricultores

A 19ª edição Expoagro Afubra, feira dedicada aos pequenos agricultores, teve público visitante de 112 mil pessoas no mês passado em Rio Pardo/RS – número que foi seu recorde em quase duas décadas. Uma movimentação 15% superior aos 98 mil de 2018. O evento é promovido pela Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra). “A estrutura aguentou bem, com um ou outro ponto de gargalo que vamos melhorar para a 20ª edição”, garantiu o presidente da Afubra, Benício Albano Werner. Apenas no Pavilhão da Agricultura Familiar, as vendas foram 25% superiores a 2018, com movimentação de R$ 792 mil e participação de 149 expositores de 80 municípios. “O novo pavilhão, mais amplo e com maior área de circulação, ajudou muito, e o retorno que recebemos dos expositores foi muito positivo”, destacou o coordenador da feira e vice-presidente da Afubra, Marco Antonio Dornelles.

O evento teve uma série de programações, como a 11ª edição do Fórum de Diversificação de Culturas e Atividades Rurais. O presidente do Conselho Regional de Desenvolvimento do Vale do Rio Pardo (Corede), Heitor Petry, lembrou que o foco da Expoagro em gestão motivou o direcionamento do fórum para apresentação de casos de famílias que trabalharam a inserção de tecnologias em suas atividades, além de exposições das políticas públicas para o desenvolvimento da agricultura familiar. “Que possamos estabelecer alinhamento pela diversificação com a inserção de tecnologias”, disse Petry. Já Marco Antonio Dornelles destacou que o propósito do Fórum de Diversificação é oferecer aos pequenos agricultores novos conhecimentos e tecnologias para aplicarem nas suas propriedades e incrementarem suas produções.

Produção de alimentos de qualidade — A Emater teve uma presença significativa no evento. Entre muitas Afubra abordagens, enfocou o desafio de produzir alimentos de qualidade, com adoção de práticas conservacionistas de solo e de água, minimizando o uso de produtos agroquímicos. Essa foi a proposta apresentada na parcela de Segurança Alimentar do Espaço Casa da Emater, onde os visitantes puderam conhecer uma estufa de morangos em bancada, o plantio de hortaliças em estufa, uma composteira laminar (com o uso de produtos das propriedades) e um canteiro com plantas bioativas. No espaço destinado ao sistema de plantio direto de hortaliças (SPDH) foi possível conhecer detalhes sobre o modelo que permite a recomposição da matéria orgânica do solo, com redução de doenças e diminuição da erosão, sem baixar custos de produção ou produtividade. “Aqui, os visitantes podem conhecer as diferenças entre o sistema de plantio direto e aquele que utiliza produtos como dessecantes”, explicou o extensionista Marcelo Cassol.