Fitossanidade

Ações pela qualidade do grão ARMAZENADO

A armazenagem tem como função básica a guarda e a conservação dos produtos armazenados. Para isso, o agricultor precisa conhecer e praticar as técnicas que podem ser usadas durante o armazenamento. A redução das perdas na pós-colheita passa pela adoção de boas práticas agrícolas e de controle dos agentes contaminantes, os quais provocam danos aos grãos e podem se manifestar ainda na lavoura e perdurar por toda a fase de pós-colheita, durante a secagem, em função do teor de umidade dos grãos, no transporte e durante a armazenagem. Além das perdas quantitativas, o armazenamento dos grãos em condições inadequadas também pode provocar perdas qualitativas, as quais podem se refletir em rejeição ou até mesmo na condenação de lotes de grãos, seja com destino a mercados nacionais ou internacionais, em razão do potencial de risco de contaminação e da possibilidade de afetar a segurança alimentar dos humanos e dos animais.

Fitossanidade

Os danos causados pelos insetos podem levar à redução da massa dos grãos e da qualidade nutricional, e os grãos infectados por fungos são chamados de ardidos

Os principais contaminantes dos grãos armazenados são insetos-pragas, fungos, micotoxinas, além da deterioração causada pelo efeito das temperaturas elevadas no interior da estrutura de armazenagem. A contaminação ocorre durante o processo de produção, ainda na lavoura, e também durante o armazenamento e segue por todas as etapas de processamento do grão, até chegar à mesa do consumidor. Desses contaminantes, os insetos constituem o principal fator de perdas nos grãos durante o período de armazenamento. “São várias as espécies. Mas o gorgulho ou caruncho (Sitophilus zeamais) e a traça- dos-cereais (Sitotroga cerearella) são os responsáveis pela maior parte...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!