O Segredo de Quem Faz

ILP: lições da EXPERIÊNCIA

Leandro Mariani Mittmann
[email protected]

Os diferentes sistemas de integração que envolvem lavoura, pecuária e árvores têm se expandido de forma rápida pela agropecuária brasileira e já se espalham por mais de 15,5 milhões de hectares. Na Fazenda Platina, em Santa Carmem/MT, a integração lavoura-pecuária, no caso arroz + gado, foi adotado ainda em 2000, e, quatro anos depois, o cereal deu lugar à soja, o que faz da fazenda de 2.430 hectares uma pioneira na prática da integração. O engenheiro-agrônomo Juliano Antoniolli, 34 anos, gestor técnico do empreendimento, descreve, nesta entrevista, como a integração lavoura-pecuária é praticada na Platina, que recebe visitantes do Brasil e do mundo para conhecer a iniciativa. Ele administra o negócio junto ao irmão, Giovani, gestor operacional na fazenda que começou com seu pai, Valdemar, ainda atuante na propriedade, com quatro irmãos, sendo que um deles deixou a sociedade, e, hoje, a família mantém outros empreendimentos agrícolas, inclusive no Paraguai.

O

A Granja — Como se desenvolve o sistema de produção na fazenda Platina, o cultivo de soja e a criação de gado? E como ocorre a integração das duas atividades?

Juliano Antoniolli — O sistema da Fazenda Platina consiste em, aproximadamente, 40% a 50% da área de soja no período da safra e a outra parte, geralmente de 50% a 60%, com pastagem visando às áreas onde há corredores centrais, a área de semiconfinamento, para fazer a rotação a cada safra. Sempre vamos ter soja e pastagem para que, quando chegar em abril, tenhamos uma pastagem de alta qualidade, vendo que as nossas chuvas aqui perduram, em média, até maio. E quando ser...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!