Agricultura 4.0

EXPECTATIVA 2019

Agricultura

Nesta edição, farei um exercício de futurismo a curto prazo para discorrer sobre alguns temas em Ciência, Tecnologia e Inovação que serão destaque neste ano. Sem dúvida, a conectividade no campo estará em ênfase. Por ocasião da Agrishow de 2018, muitos fabricantes de máquinas e implementos, e outras empresas ligadas diretamente à tecnologia assumiram a missão da resolução disso para que a enormidade de dados gerados pelos equipamentos nas operações ou investigações agrícolas seja automaticamente transmitida através da telemetria e transformada em informações para o tomador de decisão, em tempo real. Vale destacar, aqui, a iniciativa que está em curso na Fatec Shunji Nishimura envolvendo alguns fabricantes de máquinas e implementos, professores e alunos dos cursos de Mecanização em Agricultura de Precisão e Big Data, para transformar a área de produção da faculdade conectada. Este projeto-piloto visa entender como a tecnologia disponível atualmente pode ser aplicada para isso, bem como os problemas e os desafios do projeto.

Os drones serão outro tema em alta no agronegócio. Segundo dados do DroneShow e MundoGeo, em 2017, existiam 720 empresas de drones. Na Agência Nacional de Aviação (Anac), existem registrados, atualmente, 60 mil drones e 3 mil CNPJs de empresas e instituições para aplicações comerciais, com um mercado que movimentou, em 2018, ao redor de R$ 300 milhões. Com efeito, uma startup teve a ideia de organizar a prestação de serviços de drones para diferentes fins, inclusive na agricultura, e criou um tipo de “Uber” de drones, no qual os prestadores de serviço se cadastram na plataforma marketplace da empresa, e aqueles que desejam um serviço de drone podem fazer um orçamento e contratá- lo através desse portal. Devem aparecer, também, outras soluções com drones para a ação no campo, como a aplicação de defensivos ou mesmo a coleta de amostras, e, no futuro, através de tecnologias de realidade aumentada, a possibilidade de projetar o usuário para dentro do equipamento, permitindo a este fazer parte do voo, virtualmente.

Outro segmento que deve ser destaque em 2019 é o de produtos biológicos para a agricultura, com ênfase no controle biológico. Como relatado em uma coluna de 2018 nesta revista, muitas empresas estão surgindo no setor, e grandes empresas tradicionais da área química estão incorporando e ampliando seu portfólio de produtos biológicos. O movimento mais recente nesse sentido, anunciado no início de janeiro de 2019, foi a parceria firmada entre as empresas Corteva (Divisão Agrícola da Dow- DuPont) e Stoller do Brasil (empresa da área de nutrição de plantas e biológicos) para a comercialização, pela Corteva, de produto biológico nematicida produzido pela Stoller, em cana-de-açúcar.

Por fim, na área da Tecnologia da Informação, que não para de crescer, as ideias fluem a uma velocidade impressionante e fomenta o ramo das tecnologias disruptivas. Assim, podemos esperar novidades neste setor para 2019 em algoritmos, sistemas, aplicativos e Digital Farming.

Engenheiro-agrônomo, mestre e doutor em Produção Vegetal, pesquisador em Nematologia Agrícola e de Precisão em Proteção de Plantas, professor e diretor da Fatec Shunji Nishimura