Especial Leonardo Sologuren

À mercê do EMBATE Estados Unidos e China

Especial

Em caso de continuidade da guerra comercial entre Estados Unidos e China – o cenário mais provável –, há uma tendência de valorização do dólar e de queda nos preços dos grãos em Chicago. Mas, com um acordo entre os dois países, a tendência seria de aumento dos preços e queda no dólar

Engenheiro-agrônomo Leonardo Sologuren, sócio-fundador da Zeus Agrotech, mestre em Economia e cofundador do Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb)

Apesar de 2018 ter sido um ano crítico do ponto de vista político e econômico, o agronegócio registrou um crescimento acima de outros setores da economia. O Brasil colheu uma safra satisfatória, apesar da queda de 4,1% na produção em comparação ao total produzido na campanha agrícola 2016/17. A quebra na produção do milho segunda safra e do feijão foram os principais responsáveis pela redução na produção brasileira de grãos. Apesar da queda, foi a segunda maior safra já colhida no País. Do ponto de vista político, o setor apresenta-se bastante confiante com a mudança de Governo. A escolha da nova ministra da Agricultura, Tereza Cristina, vem ao encontro dos interesses do setor, assim como o novo ministro da Economia, Paulo Guedes, que promete revolucionar as contas públicas (atualmente, em alto déficit). O presidente eleito, Jair Bolsonaro, também vem afirmando que irá acabar com a indústria da multa ambiental que vem impedindo o desenvolvimento da economia brasileira.

Em 2018, o setor agrícola brasileiro também se beneficiou da guerra comercial entre Estados Unidos e China. O gigante asiático voltou sua demanda para a soja brasileira, ocasionando uma forte valorização nos prêmios negociados nos portos. No entanto, essa guerra comercial tem o seu lad...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!