Herbert & Marie Bartz

OS IRMÃOS BARTZ... UMA HOMENAGEM A ULI BARTZ

Herbert

Para o início deste novo ano, Herbert Bartz nos conta um pouco sobre a sua história e de seus irmãos, especialmente o caçula, Uli Bartz: “Quando, em 1960, chegamos de navio no Porto de Santos, éramos quatro irmãos: Relinde, eu, Arnold e Uli, que viemos com nosso pai para o Norte pioneiro do Paraná. Na realidade, no nosso estabelecimento, no Sítio Rhenânia, em Rolândia, éramos os três irmãos homens, pois a irmã Relinde já havia se casado e foi morar nas proximidades do distrito de Warta, perto de Londrina. Nós, os três irmãos, juntos com o pai, enfrentávamos a dura realidade da vida rural, em uma região na qual a agricultura ainda se estabelecia. A nossa rotina não era leve... Antes de tomar o café da manhã, que era café com leite e pão preto (de centeio), tratávamos os porcos e uma vaca de leite, e mais algumas galinhas, patos e gansos, que também precisavam ser cuidados.

Após o café da manhã, começava o trabalho “de verdade”, na sede e na lavoura do sítio, que ia até as 12h. Após uma hora de almoço e descanso, retomávamos o serviço, até as 16h, quando fazíamos uma pausa de meia hora para um café e um pão, e, logo após, o trabalho seguia até o anoitecer. O trabalho mais pesado era a construção do grande galpão. O irmão Arnold era pedreiro, mestre de obras, e o pai lavrava a madeira e as vigas com o machado para compor a estrutura do galpão. O dia de trabalho tinha de 12 a 14 horas, desde o trato dos animais, os trabalhos de pedreiro e todo o tipo de trabalho ainda nas lavouras de milho, mandioca, feijão, arroz, trigo, soja e café que tínhamos no sítio. Ao irmão Arnold não agradava muito essa vida “rural”, e ele acabou se desentendendo com o pai, indo procurar trabalho de pedreiro em Londrina.

O caçula Uli e eu tentávamos acompan...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!