Algodão

Pluma vive tempos extremamente FAVORÁVEIS

Algodão

A média mensal das cotações em 2018 superou o custo de produção em 19,2% em Mato Grosso, com picos superiores a 30%. E, em 2018/19, a produção global vai recuar 591 mil toneladas, sendo que, dos quatro maiores produtores, apenas o Brasil vai ampliar a colheita

Elcio Bento, consultor de mercado de Safras e Mercado

Nem o mais otimista dos produtores de algodão esperava um ano com a rentabilidade auferida em 2018. Na média mensal, os preços recebidos superaram o custo total de produção (base Mato Grosso) em 19,2%, chegando a atingir picos superiores a 30% em meados de junho. Em relação aos preços, a média anual foi de R$ 3,14/libra-peso em 2018, nível recorde e que superou em 21% a média de R$ 2,59/libra-peso alcançada em 2017. Esses resultados foram possíveis graças à combinação de preços externos em recuperação e de desvalorização da moeda brasileira em relação ao dólar. No âmbito global, observa-se uma retração significativa dos estoques. Há quatro temporadas (2015/16), o mundo contava com 23,265 milhões de toneladas (base pluma) em estoques finais. Para o ciclo comercial 2018/19 (que se encerra em julho de 2019), são estimados 15,935 milhões de toneladas. Essa queda de 7,330 milhões nos estoques globais no período resulta do desestímulo à produção – que ocorreu com a queda dos preços depois que a China encerrou a política de recomposição de seus estoques – e pela retomada do consumo global.

Segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), na temporada 2018/19, a produção recuará 591 mil toneladas – de 26,444 milhões de toneladas para 25,853 milhões de toneladas. Interessante destacar que, entre os quatro maiores exportadores globais, somente o Brasil contará com aumento da p...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!