Seed Point

As MÁQUINAS para colheita das sementes

Seed

A regulagem de uma colhedora para minimizar as perdas e os danos aos grãos é uma tarefa complexa, pois, ao se reduzir a agressividade da trilha, aumentam-se as perdas. E vice-versa

Doutores Emerson Fey, professor adjunto de Agronomia do Centro de Ciências Agrárias (CCA), e Flavio Gurgacz, professor adjunto de Engenharia Agrícola do Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas; Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste)

As colhedoras de grãos possuem sistemas com mecanismos para corte, alimentação, trilha, separação, limpeza, armazenamento e distribuição de resíduos. Quanto ao sistema de trilha, as colhedoras podem ser classificadas quanto ao fluxo de material em dois tipos:

• Colhedora de fluxo radial e separação por saca-palhas: na qual o material colhido flui perpendicularmente ao eixo de um conjunto de cilindro trilhador e côncavo, e a separação ocorre pela agitação da palha nos saca-palhas.

• Colhedora de fluxo axial: o material colhido flui paralelamente ao eixo do conjunto de cilindro trilhador, também chamado rotor, e côncavo, ocorrendo a trilha na primeira parte e a separação por ação centrífuga na parte final.

Ainda existem colhedoras com sistemas híbridos que utilizam partes dos dois sistemas, como, por exemplo, um sistema de cilindro e côncavo com fluxo radial para trilha e um sistema de fluxo axial para separação. Os demais sistemas, como limpeza, transporte e armazenamento de grãos, geralmente, possuem os mesmos princípios de funcionamento e componentes, variando apenas algumas particularidades, como dimensões, formas de acionamento etc. Algumas considerações sobre os dois sistemas de trilha devem ser observadas para a escolha de cada sistema, no momento da aq...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!