Integração

Os lugares cativos de MILHO E SORGO na ILP

Integração

As duas culturas são estratégicas na estruturação de sistemas de produção embasados em consorciações e rotações de cultivos no sistema de integração lavoura-pecuária

Engenheiros-agrônomos Miguel Marques Gontijo Neto, pesquisador, Dr., [email protected]; Emerson Borghi, pesquisador, Dr., [email protected]; e Álvaro Vilela de Resende, pesquisador, Dr., [email protected]; Samuel Campos Abreu, analista, [email protected], Embrapa Milho e Sorgo

Frente ao desafio de ampliação da produção de alimentos e fibra via aumentos na produtividade, a utilização das culturas de milho e sorgo em sistemas de produção com integração lavoura- pecuária (ILP) tem se mostrado extremamente viável, do ponto de vista agronômico, econômico e ambiental, no processo de construção da fertilidade dos solos intemperizados e na intensificação sustentável de sistemas de produção convencionais. Nesse processo de intensificação sustentável no âmbito da estratégia ILP, as culturas do milho e do sorgo se destacam como estratégicas por causa das inúmeras aplicações que esses cereais têm dentro da propriedade agrícola, quer seja na alimentação animal na forma de grãos ou de forragem verde ou conservada (rolão, silagem, feno), na alimentação humana ou na geração de receita mediante a comercialização da produção excedente.

Na maior parte do Brasil, onde a pecuária está embasada em áreas de pastagens, muitas delas em degradação, existe a necessidade de conservação de forragens/ alimentos, principalmente para as épocas secas do ano, na quais, por falta de água ou baixas temperaturas, as gramíneas forrageiras não produzem forragem suficiente para alimentação do rebanho. Assim, além ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!