China desacelera exportações de carne bovina da Argentina

Houve uma forte desaceleração nas exportações de carne da Argentina em janeiro passado em relação a dezembro devido ao cancelamento de embarques e à renegociação de contratos promovidos por importadores chineses.

A China se tornou o principal destino dos embarques argentinos. De cada quatro dólares provenientes das exportações de carne bovina, três correspondem a vendas realizadas para esse mercado. Agora, pode haver uma queda na receita de US $ 450 milhões.

Segundo dados do Consórcio de Exportadores de Carne da Argentina (ABC), o volume exportado no primeiro mês do ano diminuiu 19,1% em relação a dezembro do ano passado. Das 89.000 toneladas embarcadas em dezembro, foram para 72.000 toneladas em janeiro.

A renegociação de contratos, que também afetou exportadores uruguaios e brasileiros, significou uma queda nos valores médios de 33 para 38%. O preço entre US $ 6.500 e US $ 7.000 por tonelada foi repassado em US $ 4.000 / US $ 5.000.

Segundo cálculos dos exportadores, o declínio significará uma queda na receita da indústria frigorífica de US $ 450 milhões em dois meses.

“Em fevereiro, isso é agravado pela incidência do coronavírus”, disse Mario Ravettino, presidente da ABC. A curva de queda já registrada pelos dados do exportador “aumentará sua significância negativa”, acrescentou.

Ravettino explicou que “o abate médio diário dos frigoeíficos para exportação foi 13% menor em janeiro do que em dezembro e 25% menor em janeiro versus novembro”.

O grande salto que as exportações de carne deram em 2019 dificilmente se repete em 2020. No ano passado, as exportações de carne foram as maiores em 50 anos, com mais de 840.000 toneladas. Eles registraram um crescimento de 58% em volume em relação a 2018 e representaram uma receita cambial que ultrapassou US $ 3.000 milhões.

Data: 12/02/2020
Fonte: El País Digital / Beef Point

Últimas notícias