UFV apresenta estudo sobre impactos do Pró-Genética em Minas Gerais

Professores da Universidade Federal de Viçosa (UFV) divulgaram na última quinta-feira, 18, o resultado de uma pesquisa sobre o impacto do Pró-Genética para o avanço do rebanho de Minas Gerais, enquanto política pública. O levantamento, feito com em pequenas e médias propriedades rurais do Triângulo Mineiro durante o último ano, foi apresentado à diretoria da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) e parceiros do programa.

A pesquisa, que foi realizada pela UFV ao longo de 2017, ouviu mais de 160 produtores rurais. “Pudemos identificar, por exemplo, se o Pró-Genética realmente aumentou a renda e a produtividade da fazenda. O balanço é muito positivo, pois conseguimos observar que o programa trouxe um impacto para reduzir as ineficiências que o pecuarista tinha produtividade. Ficamos satisfeitos com o resultado em si”, afirmou Marcelo José Braga, professor Titular da UFV, que coordenou a pesquisa.

De acordo com os dados divulgados, 95,8% dos entrevistados afirmaram que o programa contribui para a compra de animais de melhor qualidade e 93% demonstraram satisfação com a aquisição de touros PO. Mais da metade dos entrevistados também foi enfática em afirmar que não conseguiria atingir a produção que tem hoje sem o Pró-Genética. Além disso, mais de 88% dos produtores que responderam ao questionamento destacaram como principal benefício do programa melhora do rebanho ou aumento do valor da venda dos animais.

O secretário de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), Amarildo Kalil acompanhou a apresentação e também comemorou os resultados apontados. “Diante dos resultados, nos tranquilizou muito saber que o programa, de fato, é uma política pública que tem gerado os efeitos que nós esperávamos”, disse.

Data: 19/10/2018
Fonte: ABCZ

Últimas notícias