Notícias do Montana

 

Investir em genética é lucrativo

Para obter o melhor resultado em seu negócio, o pecuarista deve utilizar todas as ferramentas disponíveis que comprovadamente apresentem ganhos produtivos. Os touros montana já provaram que podem trazer ao pecuarista a lucratividade desejada. Veja abaixo um caso comum retratado por um usuário de touros montana que vende bezerros comuns (nelore) e de cruzamento nelore x montana no Estado de Mato Grosso do Sul:

“O montana desmama seus produtos com média de 200 kg aos sete meses. Com a mesma idade, um bezerro comum é desmamado com 170 kg. São 30 kg por bezerro. Imagine que o touro deixa a cada ano 25 bezerros na fazenda. Essa diferença chega a 750 kg a mais na produção, representando R$ 1.500,00/ano para o pecuarista. Considerando que o touro é utilizado por cinco anos, ele produz R$ 7.500,00 a mais do que o touro comum durante sua vida útil. Com esses números, percebemos que o touro montana produzirá, apenas pelo aumento do peso dos bezerros desmamados, um diferencial equivalente a 20 bezerros!! É muita diferença conseguida simplesmente pela troca dos touros.”

FERRAMENTA INDISPENSÁVEL: é por resultados como os apresentados acima que o nível de satisfação dos criadores montana é crescente a cada ano. “Mais de 90% dos pecuaristas no Brasil utilizam monta natural. É para esse mercado que o montana foi desenvolvido. Ou seja, os touros montana podem ser usados em sistema de produção simples, práticos e de baixo custo. Basta adquirir o touro, soltar na vacada e conferir os resultados, sem se preocupar com despesas adicionais”, conclui Marcelo Shimbo, gerente operacional do Programa Montana.


Entrevista

Proprietário: Antonio Cavalin

Fazenda: Localizada em Mato Grosso do Sul, entre Cassilândia e Inocência. Está numa área montanhosa e de clima muito quente. Atualmente, dedica-se a cria e recria, porém, uma pequena parte do plantel é destinada para engorda. Possui hoje no plantel 50% de sangue montana e 50% de sangue cruzado.

1) Por que montana? Antonio Cavalin — Por influência do João Batista (gerente da Fazenda Guariroba) fui conhecer, em 1997, a raça montana. O que mais me chamou a atenção foi a rusticidade deste animal, somado à precocidade que ele imprime no seus produtos. Além disso, o montana mostrou-se um animal manso e de boa índole. Estou criando montana há sete ou oito anos e estou muito contente e satisfeito com a escolha por esta raça.

2) Qual o maior impacto proporcionado pela entrada do montana na sua propriedade? Cavalin — Sem dúvida, foi a precocidade no abate. Hoje mando os animais para o frigorífico com 22 ou 24 meses pesando [email protected] a [email protected]

3) Os touros montana cobrem a campo satisfatoriamente? Cavalin — Cobrem sim, aliás, bem melhor que nelore. Tive nelore durante muito tempo antes de mudar para o montana e sei bem a diferença. Os montanas são rústicos e têm excelente libido.