Matéria de Capa

A HORA DO XEQUE-MATE

Bezerros viram Reis e novilhas, Rainhas no sistema de recria e engorda do Grupo Valim, fornecedor de carne para os mercados mais exigentes do mundo

Thaise Teixeira
[email protected]

F oi durante uma das suas tradicionais saídas para comprar bezerros e novilhos Nelore para recria e engorda que o gerente de Pecuária do Grupo Valim no Mato Grosso, José Carlos Ereno Júnior, recebeu o primeiro sinal de que o jogo estava mudando. Quando chegou à propriedade de um fiel fornecedor, ainda em 2018, não havia mais um animal sequer para comprar. No mesmo ano, a China anunciou seu primeiro caso de Peste Suína Africana (PSA) e intensificou as importações brasileiras de proteina animal, inicialmente de frango e de suínos. Não demorou muito e o gigante asiático abriu de vez a porteira para a carne bovina, incendiando um mercado que, pelo movimento do próprio ciclo, já enfrentava a escassez de gado para reposição. Com a pecuária em evidência, novos investidores Foto: Grupo Valim surgiram, acirrando ainda mais a disputa por bezerros desmamados entre recriadores, invernistas, confinadores e ocasionais pecuaristas (agricultores do Cerrado mato- -grossense, com alto poder de barganha e baixo custo operacional). Realmente, era chegado o momento de repensar a estratégia do jogo. Foi nos 3,6 mil hectares da Fazenda Paranoá (Canarana/MT) que novas peças começaram ser testadas. De forma experimental e modular, a unidade localizada a 650 quilômetros da capital Cuiabá recebeu suas primeiras novilhas Nelore. As jovens damas chegaram para comprovar, na prática, o que já mostravam os números: era preciso eliminar a fase de recria e apostar na cria intensiva e superprecoce. “O grupo tem fazenda em que produz 12 cabeças por hectare (no período das águas). Com o bezerro custando, em valores atuais, a média de R$ 2,8 mil (MT), temos um custo de saída superior a 30 mil/ha só em animal, for...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!