Intensificação

Prepare-se para investir na lavoura de CAPIM

Intensificação

Período seco abre janela para intensificar pecuária a partir da próxima temporada de chuvas

Mateus Daré 1

O Brasil, atualmente, conta com mais de 31 milhões de hectares de pastagens em diferentes níveis de degradação. Em contrapartida, segundo recente divulgação da Secretaria de Inteligência e Relações Estratégicas da Embrapa (Sire), a agropecuária brasileira alimenta mais de 800 milhões de pessoas no mundo. O estudo aponta, ainda, que, em dez anos, a participação dos produtores brasileiros no mercado mundial saltou de US$ 20,6 bilhões para US$ 100 bilhões, com destaque para carne, soja, milho, algodão e produtos florestais. Ora, se, para atender a essa demanda, o único caminho é investir na recuperação ou na reforma desses milhares de hectares subprodutivos. Aos que ainda começaram, a hora da virada pode estar na entrada do período seco, no qual poderão planejar a mudança e preparar o solo para quando a chuva voltar. Aos adeptos ao modelo de integração lavoura-pecuária (ILP) ou lavoura-pecuária- -floresta (ILPF), a janela abre com o fim da colheita da safra 2020/2021 e a possibilidade do plantio forrageiro sobre a palha. A tarefa começa com a contratação de assistência técnica especializada, que avaliará a necessidade de reforma ou recuperação de acordo com o sistema produtivo e com as condições climáticas, de solo, de topografia e do solo de cada propriedade. Geralmente, o ponto de corte entre uma decisão e outra é o comprometimento da capacidade produtiva das lavouras de pasto. Se o índice chegar a 30%, a indicação será a reforma, visto que o capim já se encontra em degradação e efetivamente carece do alto investimento necessário. Se for menor, o produtor ainda pode optar pela re...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!