Santo Capim

Erros cometidos no manejo da pastagem
Parte I

Santo

Adílson de Paula Aguiar Zootecnista, professor de pós-graduação na REHAGRO e na FAZU, consultor associado da CONSUPEC e investidor na pecuária de corte e de leite

Q uando tenho a oportunidade de planejar e executar a implantação de um novo projeto, em uma área onde não havia a atividade pecuária, eu sigo uma sequência de orientação ao produtor. A ordem é a mesma que adoto para fazer meu trabalho de consultoria em uma fazenda onde já existe um projeto de pecuária em andamento: a escolha das espécies forrageiras, o estabelecimento das pastagens, a implantação da infraestrutura da fazenda, o manejo do pastejo, o manejo e o controle de plantas infestantes e pragas, o manejo da fertilidade do solo, a irrigação do solo, a suplementação dos animais e o planejamento alimentar do sistema. Essas são as bases para a implantação e a execução de projetos de produção animal em pastagens, tanto para fazendas de pecuária de corte como para as de leite. Mas ao longo de 30 anos de trabalho junto ao produtor e a colegas técnicos, tenho diagnosticado vários erros cometidos nessas dez áreas citadas acima. Quais são esses erros? O objetivo deste artigo é relacionar alguns. Vamos lá: 1) A escolha das espécies forrageiras para o estabelecimento de novas pastagens: a maioria dos produtores e muitos técnicos têm feito a escolha de espécies forrageiras para o estabelecimento de novas pastagens sem base cientifica e validação técnica em áreas comerciais. Na maioria das vezes, a decisão de qual forrageira plantar é tomada com base em modismos influenciados por propagandas das empresas que vendem sementes e mudas de plantas forrageiras. Um erro grave aqui é o monocultivo de uma determinada espécie em grandes extensões de past...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!