Sala de Ordenha

Demanda fraca pressiona cotações para baixo

O s preços do leite pago ao produtor caíram pelo segundo mês consecutivo. Apesar da produção em queda nas principais bacias leiteiras, a demanda fraca na ponta final da cadeia tem ditado o rumo do mercado. Considerando a média ponderada dos 18 estados pesquisados pela Scot Consultoria, a queda foi de 1,5% no pagamento realizado em fevereiro, na comparação mensal. Veja, na Figura 1, a evolução do preço médio (média nacional ponderada) do leite ao produtor.

Figura 1. Cotação média nacional ponderada do leite ao produtor – em R$/litro, valores nominais

Sala

Observe que, mesmo com os recuos no primeiro bimestre de 2021, o patamar atual está 37,4% acima do registrado em igual período do ano passado. A preocupação, no entanto, é com os custos de produção da atividade, que seguem elevados e apertando a margem do produtor. Com relação à produção de matéria-prima (leite cru), ainda que os volumes captados tenham caído desde o pico de produção, em dezembro de 2020, os níveis atuais estão acima dos verificados de julho a novembro do ano passado. Em relação a janeiro e fevereiro de 2020, os volumes foram 6,8% e 9,7% maiores neste ano, com as pastagens em melhores condições devido às chuvas mais regulares e em maiores volumes desde o início. Além da produção em patamares mais altos, o consumo doméstico de leite e derivados está patinando desde o começo do ano, sendo que, além da sazonalidade típica desse período, o fim do auxílio emergencial do governo federal, em dezembro de 2020, pesou negativamente sobre a demanda. Com a demanda fraca, os varejistas têm pressionado o mercado atacadista, que registrou quedas nos preços dos lácteos em fevereiro. Foram verificados recuos também nas cotações no varejo. Para o p...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!